Taxa de inflação média foi de 0,3% em 2019

  • Lusa
  • 13 Janeiro 2020

A inflação no ano passado caiu para 0,3%, em termos homólogos, abaixo dos 1% registados em 2018, segundo os dados divulgados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística.

O Índice de Preços no Consumidor registou uma taxa de variação média de 0,3% em 2019, contra 1% no ano anterior, anunciou esta segunda-feira o INE, que confirmou também o aumento dos preços em dezembro em 0,4%.

“Em 2019, o Índice de Preços no Consumidor (IPC) registou uma taxa de variação média de 0,3% (1,0% no ano anterior)”, avança o Instituto Nacional de Estatística (INE), acrescentando que, excluindo a energia e os bens alimentares não transformados, a taxa de variação média foi de 0,5% em 2019 (0,7% no ano anterior).

O INE confirmou ainda a previsão já avançada na estimativa rápida de que a taxa de variação homóloga do IPC foi de 0,4% em dezembro, superior em 0,1 pontos percentuais à de novembro. A variação situou-se em 0,4% excluindo a energia e os bens alimentares não transformados.

Em termos mensais registou-se uma redução de 0,1% em dezembro, igual à verificada no mês anterior. No período homólogo, a queda foi de 0,2%.

Já o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) registou uma taxa de variação média de 0,3% em 2019 (1,2% no ano anterior).

A taxa de variação homóloga foi de 0,4% em dezembro, superior em 0,2 pontos percentuais à de novembro e inferior em 0,9 pontos percentuais à estimada pelo Eurostat para a área do Euro.

A redução da taxa de inflação entre 2018 e 2019 “foi influenciada pelo comportamento da inflação subjacente e pela evolução negativa dos preços dos produtos energéticos”, que registaram variações médias anuais de 0,5% e -1,8%, respetivamente (0,7% e 4,7% em 2018).

Já os preços dos produtos alimentares não transformados aumentaram 0,9% em 2019, acima dos 0,6% no ano anterior.

Segundo o INE, em 2019, voltou a registar-se um crescimento médio anual mais elevado dos preços dos serviços, que aumentaram 1,2%, do que nos preços dos bens, que caíram 0,3%.

Ao nível das classes de despesa, o INE destaca pela positiva os contributos dos Transportes e dos Bens e serviços diversos e pela negativa o vestuário e calçado e as comunicações.

A evolução dos preços ao longo de 2018 e 2019 mostra que a taxa de variação homóloga do IPC total aumentou ligeiramente nos primeiros meses de 2019 e que o valor mínimo foi registado em julho de 2019, tendo-se registado três meses com valores negativos. Nos últimos meses de 2019, verificou-se um aumento progressivo desta taxa.

Ao nível das classes de despesa, salienta-se a habitação, água, eletricidade, gás e outros combustíveis, tendo o comportamento do ano sido influenciado “pela descida dos preços da eletricidade verificada em janeiro, cujo efeito nas taxas homólogas se manteve durante os 12 meses do ano (variação média anual de -4,2%)”, indica o INE.

O INE destaca ainda, nesta classe, a evolução dos preços das rendas de habitação, com uma variação média de 3,2% em 2019 (1,9% em 2018).

Relativamente aos transportes, houve uma aceleração de preços até abril de 2019, “seguida de uma desaceleração, em parte como consequência da redução de preços verificada nos passes dos transportes públicos implementada em abril”, lê-se no documento do INE.

A classe das comunicações registou uma forte diminuição de preços em maio de 2019, influenciada pela entrada em vigor dos limites de preços para comunicações entre países da União Europeia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxa de inflação média foi de 0,3% em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião