Fatura da Sorte continua, pelo menos, por mais um ano

Sorteio que premeia semanalmente os contribuintes que peçam fatura, vai durar, pelo menos, até março de 2021. Há mais de dois milhões em prémios.

A Fatura da Sorte, sorteio que premeia semanalmente os contribuintes que peçam fatura, vai durar, pelo menos, mais um ano. O Governo autorizou a Autoridade Tributária e Aduaneira a assumir os encargos com este concurso até março de 2021. Há mais de dois milhões de euros em prémios sob a forma de dívida pública.

“Fica autorizada a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) a assumir os encargos orçamentais decorrentes da atribuição dos prémios nos termos do regulamento do sorteio ‘Fatura da Sorte'”, lê-se em Diário da República.

“Os encargos orçamentais decorrentes da atribuição dos prémios nos três últimos trimestres de 2020 e no 1.º trimestre de 2021, no âmbito do sorteio ‘Fatura da Sorte’, irão repartir -se pelos anos económicos de 2020 e 2021, pelo que há lugar a encargo orçamental em mais de um ano económico”, refere o documento.

No total, o Ministério das Finanças destina 3,26 milhões de euros para prémios, mas só parte será entregue aos contribuintes que peçam fatura sob a forma de Certificados do Tesouro Poupança e Crescimento (CTPC). Retirando os valores para Imposto do Selo, o montante a distribuir é de 2,12 milhões de euros pelo quarto ano consecutivo.

A Fatura da Sorte foi criada em 2014 para incentivar os contribuintes a pedirem fatura com NIF. Foi uma medida criada para ajudar a combater evasões fiscais, acenando aos contribuintes com a possibilidade de ganharem, semanalmente, um automóvel da marca Audi.

Com o Executivo de António Costa, o prémio mudou, passando de um automóvel para prémios em dívida pública. Atualmente, é atribuído todas as semanas um prémio de 35 mil euros em CTPC, sendo que há três concursos extraordinários duas vezes por ano (em junho e dezembro), que oferecem um prémio de 50 mil euros aos três contribuintes que tiveram faturas em concurso nos seis meses anteriores à data do sorteio.

(Notícia atualizada às 9h59 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fatura da Sorte continua, pelo menos, por mais um ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião