“Impacto negativo das taxas de juro” na banca vai continuar

  • Lusa
  • 14 Janeiro 2020

Com o crescimento dos ativos provavelmente em estagnação em 2020, o impacto negativo das taxas de juro ultrabaixas nas receitas vai continuar, considera a agência de rating canadiana DBRS.

O “impacto negativo das taxas de juro ultrabaixas nas receitas vai continuar” na banca, de acordo com a agência de notação financeira canadiana DBRS, que alertou para os custos, riscos operacionais e alterações climáticas em 2020.

Segundo o relatório “Banca europeia: temas-chave em 2020“, “com o crescimento dos ativos provavelmente em estagnação em 2020, o impacto negativo das taxas de juro ultrabaixas nas receitas vai continuar”, considera a DBRS.

Destacando que “os bancos europeus têm operado num ambiente de taxas de juro ultrabaixas desde 2014”, a DBRS assinala também que as instituições de crédito “têm passado as taxas negativas para depositantes corporativos” e “não é ainda claro como é que isto poderá impactar a relação com os clientes”.

A DBRS prevê que “a pressão nos rendimentos líquidos de juros dos empréstimos deverá continuar, dadas as recentes decisões do BCE [Banco Central Europeu] sobre as taxas de juro”, pois na zona euro “o BCE cortou as taxas de juro nos depósitos para um recorde de -0,5% em setembro de 2019” e “não há sinal no horizonte de um regresso a taxas de juro positivas”.

“As prolongadas taxas negativas na zona euro estão a colocar novos desafios em termos de gestão de ativos e passivos, como é demonstrado por um maior número de bancos que começaram a passar as taxas negativas a depositantes de retalho”, como é o caso do Unicredit, ABN Amro, Deutsche Bank e Bankia, numa medida que na maioria dos casos afeta depositantes acima dos 100 mil euros, indica a DBRS.

A agência de rating canadiana considera que, “dado o difícil ambiente nas receitas, será fulcral para os grandes bancos europeus reduzir ainda mais os custos operacionais, mas mantendo os investimentos necessários para abordar a crescente concorrência e requerimentos regulatórios e de ‘compliance’ [conjunto de disciplinas a fim de cumprir e se fazer cumprir as normas legais e regulamentares]”.

A DBRS destaca que desde 2013 até ao terceiro trimestre de 2019 “houve aproximadamente uma descida de 2,0% no número médio de empregados” na banca nos principais países europeus, apesar da “atividade em fusões e aquisições em alguns bancos ter levado a um aumento de empregados”.

“Em particular, em Espanha, o número de empregados aumentou no Sabadell, Santander e CaixaBank como resultado de grandes aquisições, como o TSB em 2015, o Banco Popular em 2017 e o Banco BPI em 2017, respetivamente”, assinala a agência.

A DBRS observou que, “desde a crise financeira, muitos grandes bancos na Europa fizeram esforços materiais para potenciar a eficiência operacional, mas, no entanto, as poupanças atingidas através de reduções no pessoal e redes de agências otimizadas ou centralização de backoffice tendem a ser contrabalançadas com custos adicionais ligados a investimentos na digitalização e a abordar a concorrência das Fintech [empresas financeiras tecnológicas], bem como os custos regulatórios, de ‘compliance’ e de reestruturação”.

“Esperamos que os grandes bancos europeus continuem a reduzir custos operacionais”, declarou a DBRS no relatório, assinalando a redução de 18.000 empregados do Deutsche Bank até 2022, de 4.000 do Commerzbank até 2023, e de mais de 3.000 no Santander.

A DBRS vê também “riscos operacionais” para a banca em 2020, relacionados sobretudo com “lavagem de dinheiro e violação de sanções“, bem como “ciberataques e fugas de dados”.

A agência espera também “que os modelos de regulação para os bancos europeus encorajem ainda mais a contribuição para objetivos de desenvolvimento sustentável e para a gestão de riscos ambientais, sociais e de governança”.

A DBRS destaca ainda que o crédito malparado “vai continuar a descer graças a medidas governamentais, nomeadamente com Portugal e a Grécia destacados numa redução ainda maior dos empréstimos não produtivos em 2020”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Impacto negativo das taxas de juro” na banca vai continuar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião