Economia alemã cresceu 0,6% em 2019, valor mais baixo desde 2013

  • Lusa
  • 15 Janeiro 2020

O comportamento da economia alemã, que cresceu ao ritmo mais baixo em seis anos, deve-se à guerra comercial, ao Brexit e aos problemas da indústria automóvel.

A economia alemã cresceu 0,6% em 2019, o valor mais baixo desde 2013, anunciou esta quarta-feira a agência federal de Estatística alemã (Destatis) com base em dados preliminares.

O Produto Interno Bruto (PIB) da maior economia europeia registou em 2019 o menor crescimento desde 2013, devido à guerra comercial, ao ‘Brexit’ e aos problemas da indústria automóvel. “A economia alemã voltou a crescer, mas com menor dinamismo”, explicou em conferência de imprensa Albert Braakmann, responsável das estatísticas macroeconómicas da Destatis.

Braakmann destaca o comportamento do setor externo, afetado pelas guerras comerciais. As exportações alemãs – motor da economia alemã – apenas aumentaram 0,9% face a 2018, enquanto as importações progrediram 1,9%. No plano interno, o consumo voltou a sustentar o crescimento, com um avanço de 1,6% e os gastos públicos avançaram 2,5% face a 2018.

O investimento em bens de equipamento apenas avançou 0,4%, evidenciando as dúvidas do setor privado face à evolução futura da economia devido à guerra comercial e ao ‘Brexit’, e o setor da construção destacou-se dos restantes, ao progredir 3,8%.

O conjunto do Estado – o Governo federal, os Länder, os municípios e a caixa da Segurança social – fechou o exercício com um excedente conjunto de 49.800 milhões de euros, equivalente a 1,5% do PIB. Em 2018 o excedente estatal tinha-se cifrado em 62.400 milhões de euros.

A economia alemã já tinha dado sinais de desaceleração ao longo de 2019 e chegou a temer-se que pudesse entrar em recessão técnica – dois trimestres consecutivos de contração da economia – ao terminar a recuar no período entre abril e junho.

Contudo, o mercado laboral continuou a registar sinais de boa saúde com uma sólida criação de emprego – a aumentar ininterruptamente na última década -, uma taxa de desemprego em mínimos históricos e subidas salariais.

O pior registo anual dos últimos exercícios ocorreu em 2012 e 2013, quando a economia alemã avançou apenas 0,5%. Mas, posteriormente, recuperou dinamismo e em 2017 e 2018 atingiu crescimentos de 2,5% e 1,5%, respetivamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia alemã cresceu 0,6% em 2019, valor mais baixo desde 2013

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião