Economia alemã “superou a fase de debilidade”

  • Lusa
  • 13 Dezembro 2019

O banco central alemão espera que a economia cresça 0,5% no final deste ano e 0,6% em 2020. Além disso, considera que a economia possa "estar gradualmente a superar a atual fase de debilidade”.

O Bundesbank considerou esta sexta-feira que a “economia alemã superou a fase de debilidade”, mas que no quarto trimestre deste ano e no início de 2020 o crescimento continuará “muito contido”, como nos trimestres anteriores.

Nas últimas projeções económicas semestrais, divulgadas esta sexta-feira, o Bundesbank descarta “uma recessão”, tendo por base a situação atual.

Os economistas do Bundesbank veem, assim, “os primeiros sinais” de que a economia alemã possa “estar gradualmente a superar a atual fase de debilidade”.

O banco central germânico espera que a economia cresça 0,5% no final deste ano e 0,6% em 2020, o que representa uma forte revisão em baixa quando comparada com as previsões de junho último em que previu um crescimento de 0,6% para este ano e 1,2% no ano seguinte.

Atualmente, o Bundesbank prevê que a economia deverá crescer 1,4% em 2021 e no ano seguinte, respetivamente, contra uma previsão de 1,3% avançada em junho para este dois anos).

O presidente do Bundesbank, Jens Weidmann, não descarta, contudo, que “existem ainda fatores económicos externos que podem intensificar e prolongar o enfraquecimento do crescimento económico”.

O Bundesbank também reviu as previsões da inflação para 1,4% em 2019 (idêntica à previsão de junho) e de 1,3% em 2020 (contra 1,5% avançados em junho último), justificando para tal com a queda dos preços da energia.

Para 2021, o banco central alemão espera que a inflação no país cresça 1,6% (contra 1,7% na previsão anterior) e suba 1,9% no ano seguinte.

O Bundesbank espera também que as medidas de apoio à proteção climática que o governo aprovou recentemente contribuam para uma “subida acentuada” dos preços da energia.

Daí que enfatize os preços na Alemanha poderão subir mais do que em outros países da zona euro.

Em junho, o Bundesbank constatou que a economia alemã estava a arrefecer consideravelmente, após um período de grande prosperidade económica, mas esperava uma estabilização no semestre seguinte.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia alemã “superou a fase de debilidade”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião