Greta Thunberg acusa líderes mundiais de se terem rendido na luta pelo clima

  • Lusa
  • 21 Janeiro 2020

A ativista sueca destacou que “nada foi feito” na luta contra as alterações climáticas nos últimos tempos, insistindo na necessidade de não adiar mais e acabar com o uso de combustíveis fosseis.

A jovem ativista Greta Thunberg acusou esta terça-feira os líderes políticos e económicos de se terem rendido na luta contra as alterações climáticas e de colocarem os interesses económicos à frente dos da transição ecológica, adiantou a EFE.

“Pergunto-me o que dizem aos vossos filhos perante este caos”, disse Greta Thunberg ao auditório que ouvia a sua intervenção no Fórum Económico Mundial, que decorre em Davos, na Suíça.

A jovem ativista sueca já de manhã tinha participado com outros jovens num painel no qual destacou que “nada foi feito” na luta contra as alterações climáticas nos últimos tempos, insistiu na necessidade de não adiar mais e acabar imediatamente com o uso de combustíveis fósseis.

Por isso, a ativista pelo clima exigiu aos líderes políticos e económicos que coloquem termo aos investimentos para extração de combustíveis fósseis e aos subsídios que incentivam o seu uso.

Greta Thunberg teve a sua segunda e principal intervenção no Fórum Económico Mundial depois do presidente dos EUA, Donald Trump, que perante os participantes de Davos se juntou à iniciativa de plantar um bilião de árvores, promovida por este fórum.

“Plantar árvores é bom, mas não chega sequer perto do que é preciso fazer”, disse Thunberg, para quem não se trata de reduzir as emissões de carbono, mas sim acabar com elas definitivamente, se se pretende atingir o objetivo do Acordo de Paris de que a temperatura do planeta não suba mais do que 1,5 graus.

Disse ainda não compreender que o mundo se preocupe com o facto de os Estados Unidos terem abandonado o Acordo de Paris, mas não com o incumprimento desse acordo por parte dos restantes signatários. A jovem sueca de 17 anos reconheceu que a transição ecológica é um processo duro, sobretudo em termos económicos, mas que isso não deve levar a renunciá-la.

Aos políticos Greta Thunberg disse também que pouco lhe importa se são de direita ou de esquerda, já que todos fracassaram na luta contra as alterações climáticas. Apontou ainda o dedo às “palavras vazias” e “promessas” dos que falam do clima para dar a impressão de que estão a fazer alguma coisa, quando na verdade não fazem nada.

Greta Thunberg começou a sua intervenção recordando as suas palavras na primeira passagem pelo fórum em Davos, o ano passado, quando alertou que a nossa casa, o planeta Terra, está a arder e que um ano depois tudo continua igual.

“A nossa casa continua em chamas e a vossa inação alimenta as chamas a cada hora. Pedimos-vos que atuem, se amam os vossos filhos acima de qualquer outra coisa”, afirmou Greta Thunberg.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Greta Thunberg acusa líderes mundiais de se terem rendido na luta pelo clima

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião