Vendas através das redes sociais geraram 208 mil milhões de euros às empresas europeias

  • Lusa
  • 21 Janeiro 2020

Relatório concluiu que as empresas europeias alvo de análise geraram 208 mil milhões de euros em vendas através das redes sociais, em 2019, e cerca de três milhões de postos de trabalho.

Um relatório da Copenhagen Economics, divulgado esta terça-feira, concluiu que as empresas europeias alvo de análise geraram 208 mil milhões de euros em vendas através das redes sociais, em 2019, e cerca de três milhões de postos de trabalho.

Para a elaboração daquele relatório, solicitado pelo Facebook, foram analisadas 7.720 empresas de diversos setores e tamanhos, espalhadas por 15 países da Europa, incluindo Portugal, que utilizam as aplicações do Facebook (Facebook, Instagram, WhatsApp e Messenger).

“As empresas que fizeram parte deste estudo acreditam que o uso das aplicações e tecnologias do Facebook ajudaram a gerar cerca de 208 mil milhões de euros em vendas no ano passado. Os economistas sugerem, ainda, que isto pode ter-se traduzido na criação de três milhões de empregos”, refere, em comunicado, o Facebook.

As empresas analisadas referiram, também, que o uso das aplicações daquela rede social ajudaram a criar cerca de 98 mil milhões de euros em exportações, dos quais 58 mil milhões correspondem a vendas dentro da União Europeia e 40 mil milhões a vendas para o resto do mundo.

“Hoje, o Facebook estima que mais de 25 milhões de empresas na União Europeia, sobretudo pequenas empresas, estão a usar mensalmente os serviços da rede social”, assinalou a empresa.

Os dados obtidos pela Copenhagen Economics revelaram ainda que as empresas fundadas por mulheres “dão um valor especial às redes sociais pela forma como ajudam nos primeiros passos do negócio”, com 58% das empresas fundadas por mulheres alvo do estudo a defenderem que “o Facebook é importante para começar os respetivos negócios” e 65% a afirmarem que ajudou mais no aumento da receita.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas através das redes sociais geraram 208 mil milhões de euros às empresas europeias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião