Intel dispara mais de 6%. Bolsas americanas em alta

Boas perspetivas deixadas pela Intel e dados económicos positivos na Europa deixam bolsas americanas em alta. Investidores mais tranquilos em relação à evolução do surto do vírus na China.

Wall Street iniciou a última sessão da semana em alta, impulsionado pelo bons resultados da fabricante de chips Intel e pelos dados encorajadores sobre a atividade económica na Europa, com os investidores a deixar para segundo plano as preocupações com o surto de coronavírus na China.

As ações da Intel somam 6,33% para 67,36 dólares, negociando em máximos de 19 anos, depois de ter projetado para 2020 lucros acima do esperado pelo mercado, juntando-se a outros fabricantes de chips que também deixaram sinais positivos sobre a procura. Neste setor, a Advanced Micro Devices soma 1,5% e a Broadcom sobe 3% depois de ter chegado a um acordo para fornecer a Apple.

Por outro lado, os dados PMI que medem atividade económica sinalizaram alguma recuperação do crescimento este ano, o que também está a ajudar o sentimento dos investidores não só americanos mas também deste lado do Atlântico.

Na China, após as medidas tomadas pelos responsáveis para contar o vírus que já matou 26 pessoas e infetou mais de 800, os investidores parece estar mais tranquilo com a declaração da Organização Mundial da Saúde de que o novo vírus é uma emergência apenas na China e não se trata de uma preocupação internacional.

Neste cenário, o S&P 500 avança 0,20% para 3.332,10 pontos, ao mesmo tempo que o tecnológico Nasdaq e o industrial Dow Jones ganham 0,45% e 0,35%, respetivamente.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Intel dispara mais de 6%. Bolsas americanas em alta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião