Jorge Brito Pereira sai da Uría. Suspende atividade como advogado

O sócio da Uría Menéndez-Proença de Carvalho e advogado de Isabel dos Santos, Jorge Brito Pereira, está de saída da sociedade. Abandona a advocacia para estudar.

O advogado de Isabel dos Santos, Jorge Brito Pereira, sai da Uría Menéndez-Proença de Carvalho, apurou o ECO. O sócio da firma, desde 2016, decidiu renunciar no seguimento do caso Luanda Leaks que divulgou o alegado desvio de dinheiro da Sonangol, por parte da empresária Isabel dos Santos. Contactada a Uría, escusou-se a fazer qualquer tipo de comentários.

“Face às informações publicadas nos últimos dias a propósito dos designados ‘Luanda Leaks’, sem qualquer admissão de culpa, entendi que, ouvidos alguns dos meus sócios, para não prejudicar o bom nome e a reputação da Uría Menéndez-Proença de Carvalho, devia renunciar à minha condição de sócio com efeitos imediatos“, assegurou, entretanto, o advogado em comunicado ao Expresso.

Jorge Brito Pereira, que apresentou esta quinta-feira a carta de renúncia à sociedade ibérica, decidiu também suspender a atividade profissional como advogado. Vai dedicar-se a partir de agora à tese de doutoramento.

“Assim, como consequência imediata e necessária desta decisão, cessarei também o patrocínio jurídico à engenheira Isabel dos Santos e às sociedades que lhe estão associadas e, por isso mesmo, renunciarei, nos próximos dias, a todos os cargos que ocupava em órgãos sociais relacionados com as ditas sociedades”, esclarece o advogado.

O advogado de Isabel dos Santos negou recentemente qualquer tipo de controlo na Matter Business Solutions, a offshore da empresária angolana no Dubai para onde terão sido desviados mais de 100 milhões de euros em fundos públicos da Sonangol. Garantiu também que nunca teve “qualquer intervenção que não a de constituir formalmente a sociedade”.

Apesar disso, irá sair da sociedade, tal como de três outras empresas detidas pela angolana. Esta quinta-feira, a Nos anunciou em comunicado que Brito Pereira iria abandonar o cargo de chairman, tal como outros dois administradores indicados por Isabel dos Santos.

“[A Nos] informa que os senhores Dr. Jorge de Brito Pereira, Dr. Mário Filipe Moreira Leite da Silva e Dra. Paula Cristina Neves Oliveira apresentaram hoje [quinta-feira], ao Conselho Fiscal, as respetivas renúncias aos cargos de membros não executivos do Conselho de Administração desta sociedade“, lê-se na nota em questão.

Da mesma forma, o advogado vai deixar os cargos que ocupava no banco EuroBic e na energética Efacec. As duas empresas serão alvo de desinvestimento de Isabel dos Santos, que já anunciou que pretende vender as posições detidas.

(Notícia atualizada às 13h08)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jorge Brito Pereira sai da Uría. Suspende atividade como advogado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião