Luanda Leaks: Caso arrisca fuga de dólares e queda do kwanza

  • Lusa
  • 23 Janeiro 2020

Segundo a consultora IHS Markit, "as revelações podem levar a um aumento da procura de euros e dólares para serem transferidos para fora de Angola, já que os empresários estão preocupados".

O diretor do departamento africano da consultora IHS Markit disse esta quinta-feira à Lusa que a investigação Luanda Leaks pode desencadear “um aumento da procura por euros e dólares para serem transferidos para fora de Angola”.

“As revelações podem levar a um aumento da procura de euros e dólares para serem transferidos para fora de Angola, já que os empresários estão preocupados com as consequências dos impactos da fiscalização das entidades ligadas a Isabel dos Santos”, disse Bryan Plamondon.

Questionado pela Lusa sobre as implicações deste caso para a economia angolana no seu todo, o analista respondeu que o receio de os bens ligados a Isabel dos Santos “serem confiscados ou desaparecerem” pode precipitar a troca de kwanzas por moedas que possam ser usadas fora do país.

“Isto vai colocar pressão na taxa do mercado paralelo e, em última análise, sobre a taxa oficial de câmbio”, acrescentou o analista da IHS Markit, que tem como previsão de aumento dos preços um valor de 24% e uma taxa de juro diretora nos 16,25% este ano.

Sobre se o crescimento económico pode ser afetado, Bryan Plamondon respondeu que não, dado que a projeção de crescimento para este ano aponta para 1%.

“Não estamos a planear fazer mudanças significativas às nossas previsões económicas para Angola, já que a nossa perspetiva já é bastante conservadora e abaixo do consenso dos analistas”, explicou.

As declarações de Bryan Plamondon à Lusa surgem na sequência do escândalo de corrupção que está a afetar a vida política angolana, com a filha do ex-Presidente e empresária Isabel dos Santos a ser constituída arguida e com a Procuradoria-Geral da República (PGR) a admitir a emissão de um mandado de captura internacional.

Isabel dos Santos, empresária angolana e filha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos, foi constituída arguida, bem como Sarju Raikundalia, ex-administrador financeiro da petrolífera Sonangol, Mário Leite Silva, gestor de Isabel dos Santos, Paula Oliveira, amiga da empresária e administradora da NOS, e Nuno Ribeiro da Cunha, gestor de conta da empresária no EuroBIC, encontrado morto na quarta-feira.

Segundo a PGR, o grupo foi constituído arguido no âmbito de um processo de inquérito aberto na sequência de uma denúncia do antigo presidente do conselho de administração da Sonangol, Carlos Saturnino.

Um despacho sentença do Tribunal Provincial de Luanda, divulgado em finais de dezembro de 2019, decretou o arresto preventivo de bens e contas particulares de Isabel dos Santos, Sindika Dokolo e Mário Leite da Silva.

Um Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação (ICIJ) revelou no domingo mais de 715 mil documentos, sob o nome de ‘Luanda Leaks’, que detalham esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, que terão permitido retirar dinheiro do erário público angolano, utilizando paraísos fiscais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Luanda Leaks: Caso arrisca fuga de dólares e queda do kwanza

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião