Governo vai anunciar que investimento no SNS atingiu máximo desde 2012

A execução orçamental de 2019 que será conhecida esta segunda-feira vai mostrar um reforço do investimento do SNS. Contas do ano passado fecharam com défice de 621 milhões.

O Governo vai anunciar esta segunda-feira que o reforço do investimento no Serviço Nacional de Saúde (SNS) no ano passado permitiu atingir o valor mais elevado desde 2012, disse ao ECO fonte oficial do Ministério das Finanças. A ideia será transmitida no âmbito da publicação dos dados da execução orçamental referente ao fecho de 2019 que será conhecida esta tarde.

A mesma fonte indicou que o investimento do SNS cresceu 17%, atingindo os 156 milhões de euros.

Esta manhã, no Parlamento, o ministro das Finanças antecipou um outro número – também ele do investimento. Mário Centeno disse que o investimento público na Administração Central – onde está incluído o SNS – aumentou no ano passado 20,6%. O ministro acrescentou que é o maior da década.

Os números que serão conhecidos hoje estão em contabilidade pública, ou seja, numa lógica de tesouraria. Em contabilidade nacional, que inclui os compromissos e que interessa a Bruxelas, o Governo pretende ter um défice de 0,1% do PIB.

Na sexta-feira passada, o Ministério da Saúde anunciou que o SNS registou um défice provisório consolidado de 620,9 milhões de euros em 2019, o que representa uma descida de 15,3% em relação ao valor de 2018. Este valor representa um desvio face ao défice de 90 milhões de euros que tinha previsto inicialmente para 2019 e uma correção face ao défice de 447,2 milhões de euros, que tinha reportado ao Parlamento 10 dias antes.

Ao longo das várias publicações da execução orçamental, o Ministério das Finanças tem destacado a aposta na Saúde, nomeadamente nos recursos humanos.

Para 2020, face ao orçamento inicial do ano anterior, há um reforço orçamental de mais de 900 milhões de euros e um aumento acima de 500 milhões quando a comparação é feita com a execução de 2019.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai anunciar que investimento no SNS atingiu máximo desde 2012

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião