Jorge Moreira da Silva: “Pior erro é associar sustentabilidade apenas ao ambiente”

O antigo ministro do Ambiente esteve na conferência Via Bolsa 2020, organizado pela Euronext Lisbon, que conta com o ECO como media partner e tem como tema as finanças sustentáveis.

A sustentabilidade vai além do ambiente, abrangendo temas como paz ou igualdade de género, que devem ser vistos de forma agregada, segundo defendeu Jorge Moreira da Silva, diretor da cooperação para o desenvolvimento da OCDE, na conferência anual da Euronext Lisbon, a Via Bolsa 2020.

“O pior erro é associar sustentabilidade apenas a sustentabilidade ambiental. Não estamos a falar apenas da dimensão ambiental, mas de desenvolvimento sustentável”, começou por dizer Moreira da Silva, lembrando que os 17 objetivos da ONU abrangem igualdade de género, saúde, educação ou manutenção da paz. “Estamos a falar de uma mudança de paradigma e não apenas dos objetivos do milénio“.

O financiamento ao desenvolvimento implica “mais investimento público, mais impostos nos países desenvolvidos e mais investimento privado”, acredita o responsável da OCDE, que foi ministro do Ambiente do Governo liderado por Pedro Passos Coelho.

No que diz respeito ao investimento privado, há atualmente 30 biliões de ativos geridos com algum critério de desenvolvimento sustentável, enquanto 86% dos gestores de ativos dizem que conhecem bem os objetivos de sustentabilidade, de acordo com os dados fornecidos na conferência, que tem como tema as finanças sustentáveis.

A evolução destes temas, para um momento em que se vive uma situação de crise climática e migratória, muitos dos elementos que desculpavam a inação foram sendo removidos. “Já não há dúvidas científicas, mesmo para quem não subscreve o acordo de Paris“, afirmou numa referência aos Estados Unidos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jorge Moreira da Silva: “Pior erro é associar sustentabilidade apenas ao ambiente”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião