Paupério substitui Brito Pereira como chairman da Nos. Advogado saiu após polémica do Luanda Leaks

Ângelo Paupério, histórico gestor da Sonae, substitui Jorge Brito Pereira na presidência do conselho de administração da operadora de telecomunicações.

Ângelo Paupério, histórico gestor da Sonae, foi o nome escolhido pela Nos para substituir Jorge Brito Pereira como chairman da operadora. Brito Pereira, advogado de longa data de Isabel dos Santos, tinha renunciado ao cargo na semana passada, na sequência da polémica em torno do Luanda Leaks.

“Em reunião do conselho de administração ocorrida hoje, foi eleito presidente do conselho de administração Ângelo Paupério”, segundo informou a Nos NOS 0,00% em comunicado enviado esta segunda-feira ao mercado.

Jorge Brito Pereira anunciou a saída da telecom na passada quinta-feira, juntamente com dois outros administradores não executivos ligados a Isabel dos Santos: Mário Leite da Silva e Paula Oliveira. Os três tinham sido implicados na investigação jornalística Luanda Leaks, que expôs os esquemas financeiras da empresária angolana em Portugal. Isabel dos Santos terá desviado mais de 100 milhões de euros em fundos públicos da Sonangol para uma sociedade offshore no Dubai, a Matter Business Solution, constituída por Brito Pereira e dirigida por Paula Oliveira. Mário Leite da Silva é considerado o “braço-direito” de Isabel dos Santos nos negócios suspeitos investigados pela imprensa.

Quanto a Ângelo Paupério, é um homem de confiança da família Azevedo. Começou na Sonae em 1989 como diretor de projeto de televisão na Sonae Tencnolias de Informação. Passou por vários cargos e empresas do grupo, Sonaecom, Sonae Capital, Modelo Continente. Chegou a partilhar o cargo de CEO da Sonae com Paulo de Azevedo nos últimos anos, antes da chegada de Cláudia Azevedo.

A Nos tem como acionista maioritário a Zopt, que controla 52,15% do capital da telecom nacional. A Zopt é detida pela Sonae (através da Sonaecom) e Isabel dos Santos (através da Kento e da Unitel).

(Notícia atualizada às 17h18)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paupério substitui Brito Pereira como chairman da Nos. Advogado saiu após polémica do Luanda Leaks

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião