Coronavírus dita maré vermelha nas bolsas. Lisboa em mínimos do ano

As principais bolsas europeias encerraram com perdas em torno de 2%, rumo que foi acompanhado pela praça bolsista nacional, com o PSI-20 a encerrar na fasquia mais baixa do ano.

O vermelho imperou nos mercados no arranque da semana, com os investidores a temerem as consequências económicas da propagação do coronavírus na China. As principais bolsas europeias encerraram com perdas em torno de 2%, rumo que foi acompanhado pela praça bolsista nacional, com o PSI-20 a encerrar na fasquia mais baixa do ano.

O PSI-20 desvalorizou 2,04%, para os 5.178,89 pontos, o maior deslize desde o início de agosto. Na Europa, o Stoxx 600 — índice que agrega as 600 maiores capitalizações bolsistas do Velho Continente — recuou 2,41%.

A derrapagem nos mercados europeus acontece numa altura em que o número de mortos pelo surto de coronavírus na China aumentou para 81 e o vírus se propagou para mais de dez países, incluindo França, Japão e Estados Unidos. Alguns analistas questionam ainda se a China será capaz de conter a epidemia.

PSI-20 cai mais de 2%

Nenhum dos 18 títulos do PSI-20 escapou ao contágio das perdas bolsistas. A Altri e a Sonae Capital destacaram-se pela dimensão das perdas que superaram os 5%. As ações da papeleira recuaram 5,34%, para os 5,76 euros, enquanto as da holding que integra o universo Sonae desvalorizaram 5,3%, para os 73,20 cêntimos.

Mas o rumo do índice bolsista nacional foi sobretudo ditado pela queda do BCP e da Galp Energia. As ações do banco liderado por Miguel Maya caíram 4,11%, para os 18,18 cêntimos, enquanto as da petrolífera perderam 2,37%, para os 13,78 euros, acompanhando o deslize das cotações do petróleo.

O “ouro negro” cedia mais de 3%, condicionado pelos esperados efeitos nefastos para a economia e, em consequência, sobre o consumo de petróleo a nível mundial caso o coronavírus se transforme numa epidemia mundial. O preço do barril de brent, referência para as importações nacionais, caiu abaixo da fasquia dos 60 dólares pela primeira vez desde o início de novembro.

 

(Notícia atualizada às 17h00 cm mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Coronavírus dita maré vermelha nas bolsas. Lisboa em mínimos do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião