Coronavírus dita maré vermelha nas bolsas. Lisboa em mínimos do ano

As principais bolsas europeias encerraram com perdas em torno de 2%, rumo que foi acompanhado pela praça bolsista nacional, com o PSI-20 a encerrar na fasquia mais baixa do ano.

O vermelho imperou nos mercados no arranque da semana, com os investidores a temerem as consequências económicas da propagação do coronavírus na China. As principais bolsas europeias encerraram com perdas em torno de 2%, rumo que foi acompanhado pela praça bolsista nacional, com o PSI-20 a encerrar na fasquia mais baixa do ano.

O PSI-20 desvalorizou 2,04%, para os 5.178,89 pontos, o maior deslize desde o início de agosto. Na Europa, o Stoxx 600 — índice que agrega as 600 maiores capitalizações bolsistas do Velho Continente — recuou 2,41%.

A derrapagem nos mercados europeus acontece numa altura em que o número de mortos pelo surto de coronavírus na China aumentou para 81 e o vírus se propagou para mais de dez países, incluindo França, Japão e Estados Unidos. Alguns analistas questionam ainda se a China será capaz de conter a epidemia.

PSI-20 cai mais de 2%

Nenhum dos 18 títulos do PSI-20 escapou ao contágio das perdas bolsistas. A Altri e a Sonae Capital destacaram-se pela dimensão das perdas que superaram os 5%. As ações da papeleira recuaram 5,34%, para os 5,76 euros, enquanto as da holding que integra o universo Sonae desvalorizaram 5,3%, para os 73,20 cêntimos.

Mas o rumo do índice bolsista nacional foi sobretudo ditado pela queda do BCP e da Galp Energia. As ações do banco liderado por Miguel Maya caíram 4,11%, para os 18,18 cêntimos, enquanto as da petrolífera perderam 2,37%, para os 13,78 euros, acompanhando o deslize das cotações do petróleo.

O “ouro negro” cedia mais de 3%, condicionado pelos esperados efeitos nefastos para a economia e, em consequência, sobre o consumo de petróleo a nível mundial caso o coronavírus se transforme numa epidemia mundial. O preço do barril de brent, referência para as importações nacionais, caiu abaixo da fasquia dos 60 dólares pela primeira vez desde o início de novembro.

 

(Notícia atualizada às 17h00 cm mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus dita maré vermelha nas bolsas. Lisboa em mínimos do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião