Tancos: Juíz Carlos Alexandre enviou 100 perguntas a António Costa

  • ECO
  • 27 Janeiro 2020

O juiz encarregue pela instrução do processo do furto e recuperação das armas de Tancos aceitou que o primeiro-ministro responda por escrito.

Carlos Alexandre, juiz encarregue pelo processo de instrução do caso do roubo e recuperação das armas de Tancos aceitou que o primeiro-ministro, António Costa, possa depor por escrito. A notícia é avançada pela Renascença que cita um despacho onde constarão um total de 100 perguntas a colocar ao chefe do Executivo português.

Este despacho vem assim contrariar as notícias que davam conta de que Carlos Alexandre não abdicaria de ouvir o primeiro-ministro presencialmente, depois de este ter sido chamado pela defesa de Azeredo Lopes, para ser ouvido como testemunha do processo em que o ex-ministro da Defesa é arguido.

O molde escolhido para as respostas do primeiro-ministro vai também ao encontro do que o Conselho de Estado tinha autorizado.

Um dos advogados de defesa adiantou, esta segunda-feira, à agência Lusa que o primeiro-ministro tem agora um prazo de dez dias para responder às 100 perguntas formuladas pelo juiz, as quais poderão, posteriormente, suscitar pedidos de esclarecimento dos advogados e do Ministério Público.

A fase de instrução do processo de Tancos começou no passado dia 8 de janeiro, havendo 23 arguidos, sendo o ex-ministro Azeredo Lopes um deles. Em causa estão crimes de terrorismo, associação criminosa, denegação de justiça, prevaricação, falsificação de documentos, tráfico de influência, abuso de poder, recetação e detenção de arma proibida.

(Notícia atualizada às 15h51 com indicação do prazo que o primeiro-ministro terá para responder às questões)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tancos: Juíz Carlos Alexandre enviou 100 perguntas a António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião