Vírus: Centro europeu apela a “medidas rigorosas” na UE após casos detetados em França

  • Lusa
  • 27 Janeiro 2020

Centro de Prevenção e Controlo das Doenças pediu aos Estados da UE que garantam a aplicação de medidas rigorosas e oportunas de prevenção e controlo de infeções em torno dos casos detetados na região.

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças pediu esta segunda-feira aos Estados-membros da União Europeia (UE) que adotem “medidas rigorosas e oportunas” para controlo do novo coronavírus chinês na região, após a confirmação de casos em França.

“Os países da UE e do Espaço Económico Europeu devem garantir a aplicação de medidas rigorosas e oportunas de prevenção e controlo de infeções em torno dos casos detetados […], a fim de evitar uma maior disseminação na comunidade e nos serviços de saúde”, vinca o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC, sigla em inglês) numa comunicação feita esta manhã na sua página na Internet.

De acordo com este organismo da UE, se os Estados-membros adotarem tais medidas, “a probabilidade de uma maior disseminação […] é considerada baixa”.

Por esta razão, o ECDC manteve na categoria de ‘moderado’ o risco de contágio deste coronavírus na UE, após uma nova avaliação feita no domingo, que se seguia a duas outras feitas, respetivamente, há uma e há duas semanas.

Nessa avaliação, este centro europeu considerou, então, ser ‘moderada’ a possibilidade de importação de casos adicionais para os países da UE e do Espaço Económico Europeu, bem como de contágio de cidadãos europeus que residem ou visitam Wuhan, na China, onde o surto terá começado.

Falando sobre a situação na conferência de imprensa diária da instituição, em Bruxelas, o porta-voz do executivo comunitário Stefan de Keersmaecker indicou que, “hoje à tarde, haverá uma reunião do comité de saúde e segurança, também no seguimento da avaliação de risco feita pelo ECDC, e nessa reunião serão discutidos os últimos desenvolvimentos, tendo em conta os primeiros casos confirmados na UE, em França, no fim de semana”.

De acordo com este responsável, “um importante tópico que será discutido nesta reunião diz respeito às medidas preventivas adotadas pelos Estados-membros, incluindo a nível hospitalar, para lidar com possíveis novos casos, formas de comunicar à população conselhos de viagem e de prevenção e ainda a coordenação das respostas”.

Stefan de Keersmaecker não adiantou se, desta reunião, sairá algum aviso adicional.

Já questionado na ocasião sobre a possível retirada de cidadãos europeus das províncias chinesas mais afetadas pelo coronavírus, o porta-voz disse que essa é uma decisão que cabe aos Estados-membros.

“Se houver uma decisão nesse sentido, a Comissão está pronta para apoiar”, concluiu.

A China elevou hoje para 80 mortos e mais de 2.700 infetados o balanço do novo coronavírus detetado no final do ano em Wuhan, capital da província de Hubei (centro).

As autoridades anunciaram 24 novas mortes desde domingo na região de Hubei, mas não registaram óbitos provocados pelo vírus fora daquela província.

Além do território continental da China, também foram reportados casos de infeção em Macau, Hong Kong, Taiwan, Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos, Singapura, Vietname, Nepal, Malásia, França, Austrália e Canadá.

As autoridades chinesas admitiram que a capacidade de propagação do vírus se reforçou.

As pessoas infetadas podem transmitir a doença durante o período de incubação, que demora entre um dia e duas semanas, sem que o vírus seja detetado.

O Governo decidiu prolongar o período de férias do Ano Novo Lunar, que deveria terminar na quinta-feira, para tentar limitar a movimentação da população.

O diretor da Organização Mundial de Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, é esperado em Pequim para discutir a situação com as autoridades chinesas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vírus: Centro europeu apela a “medidas rigorosas” na UE após casos detetados em França

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião