BE insiste que vistos gold e Isabel dos Santos estão ligados

Mariana Mortágua voltou a defender que as autorizações de residência serviram para branquear capitais. O Bloco apresentou uma proposta de alteração ao OE2020 para acabar com os vistos gold.

O Bloco de Esquerda considera que esta é a altura certa para acabar com os vistos gold, tendo em conta as notícias sobre como a empresária angolana Isabel dos Santos, com investimentos relevantes em Portugal, construiu a sua fortuna.

Mariana Mortágua tinha esta segunda-feira ligado a polémica em torno de Isabel dos Santos aos vistos gold, mas o ministro das Finanças, que estava no Parlamento, argumentou que as duas coisas não podiam ser associadas.

A deputada do Bloco de Esquerda não ficou convencida e esta terça-feira, numa conferência de imprensa na sede do Bloco, voltou a ligar as duas coisas a propósito da proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) que o Bloco entregou e que prevê o fim dos vistos gold. O PS admite fazer mudanças mas canalizando as autorizações de residência para o interior do país e vedando-as em Lisboa e Porto.

“É uma questão de princípio” acabar com os vistos gold, “por uma questão moral”. Este regime de autorizações de residência “abre as portas ao branqueamento de capitais”.

“Penso que este assunto é particularmente sensível hoje quando se discute a entrada de capitais angolanos em Portugal a sua falta de transparência e como é que Portugal serviu de lavandaria para os capitais angolanos, entre outros. Toda a gente sabe que os vistos gold serviam este propósito e toda a gente fechou os olhos. Da mesma forma como se fechou os olhos à fortuna de Isabel dos Santos e como foi feita”, disse.

“Mais do que nunca podemos perguntar aos partidos políticos se querem continuar coniventes com este regime”, desafiou a deputada do Bloco de Esquerda.

“Melhorias ao regime são positivas mas a nossa posição é acabar de vez com o regime”, declarou, mostrando assim alguma abertura para viabilizar a proposta socialista.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE insiste que vistos gold e Isabel dos Santos estão ligados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião