Quem vende mais? Apple “apanha” a Samsung

Quem vende mais? Samsung tem sido a líder incontestável na venda de smartphones, mas no final do ano passado terá sido "apanhada" pela rival norte-americana.

Durante vários anos, a Samsung tem sido líder incontestável na venda de smartphones. Mas a hegemonia sul coreana poderá ter os dias contados, tendo em conta o crescimento exponencial apresentado pela rival norte-americana. A Apple terá, de acordo com as estimativas dos analistas, conseguido “apanhar” a Samsung. Ou mesmo superado.

Segundo as estimativas consultadas pela Bloomberg (acesso condicionado), os analistas da Estrategy Analytics estimam que a empresa liderada por Tim Cook tenha enviado para as lojas 70,7 milhões de iPhones durante o último trimestre do ano passado, um número ligeiramente superior ao da Samsung que distribuiu 68,8 milhões de smartphones. Por outro lado, Canalys avança com uma projeção de 78 milhões para a Apple e 71 milhões para a Samsung.

Mas as estimativas não dão sempre o título de líder à Apple. A IHS Markit estima que a empresa fundada por Steve Jobs tenha conseguido vender 67,7 milhões de smartphones, valor ligeiramente inferior aos 70,7 milhões da Samsung.

Estas dados baseiam-se em estimativas, uma vez que a Apple deixou de revelar oficialmente o número de aparelhos vendidos. A análise refere ainda que a Huawei, outra das principais fabricantes de smartphones está a perder terreno.

Esta quinta-feira a Apple apresentou os resultados relativos ao primeiro trimestre fiscal, concluído em dezembro. As receitas da empresa alcançaram um recorde de 91,82 mil milhões de dólares entre outubro e dezembro e comparam com os 84,31 mil milhões gerados no período homólogo. Ao mesmo tempo, as vendas de novos iPhones alcançaram os 55,96 mil milhões de dólares, um aumento face aos 51,98 mil milhões de dólares registados no mesmo trimestre de 2018.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem vende mais? Apple “apanha” a Samsung

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião