Hoje nas notícias: CP, ADSE e rendas acessíveis

  • ECO
  • 4 Fevereiro 2020

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

Bastaram apenas duas reuniões para a CP nomear 124 novos diretores, consequência da fusão com a EMEF. O dia é também marcado pela notícia de que o Governo está a estudar aumentos dos preços das consultas da ADSE. Na habitação, Fernando Medina prepara-se para avançar com o programa Renda Segura, em que a autarquia vai arrendar casas a privados para depois as subarrendar a preços mais acessíveis à classe média.

Governo não exclui aumento do preço das consultas da ADSE

Depois de o vogal do Conselho Diretivo da ADSE, Eugénio Rosa, ter revelado que este organismo está a estudar uma eventual subida dos preços das consultas, o Governo vem agora confirmar que há várias hipóteses em cima da mesa. O vogal propôs uma subida de 3,99 para cinco euros (um aumento mais pequeno do que, afirma, está a ser estudado pelo restante Conselho Diretivo”. Já do lado do Governo, fonte oficial do Gabinete da ministra Alexandra Leitão Marques, é cedo demais para “traçar cenários”. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago)

Provas ilegais já serviram para condenar banqueiros

Perante as revelações com base em atos de pirataria informática assumidas por Rui Pinto no âmbito do Luanda Leaks, muitos juristas defendem que a Justiça não pode usar essa documentação. Mas, segundo lembra o Jornal de Notícias, já terão existido banqueiros condenados com base em informação obtida através de métodos proibidos. Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (link indisponível)

CP muda 124 diretores em apenas duas reuniões

Em apenas duas reuniões, a administração da CP fez 124 nomeações, entre dirigentes de 1.º e 2.º nível. A reestruturação de dirigentes resulta da fusão por incorporação entre a CP e a Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF), efetivada a 1 de janeiro. Fonte oficial da CP esclareceu que “cerca de 90% já tinham um nível de chefia e foram reconduzidas ou nomeadas para outras funções”. As mexidas visam o “rejuvenescimento de quadros”, acrescentou a mesma fonte. Leia a notícia completa no Correio da Manhã (acesso pago)

Câmara de Lisboa vai alugar casas a privados para subalugar a rendas acessíveis

A Câmara de Lisboa (CML) vai arrendas casas a privados para depois as subarrendar a preços acessíveis — Programa Renda Segura. A notícia não é nova, mas Fernando Medina explica que, com isto, a autarquia “oferece investimento seguro e sem risco” e, quem casas imóveis à CML, vai “dispor de imóveis que estão em boas condições, adequados, a preço da renda acessível”, com valores “entre os 150 e os 800 euros”. Leia a notícia completa no Observador (acesso condicionado)

PPP do Algarve exige ao Estado que pague já 80 milhões

O Governo separou no Orçamento do Estado para 2020 uma despesa extraordinária de 80 milhões em forma de indemnização que a Infraestruturas de Portugal terá de pagar pelo cancelamento da subconcessão Algarve Litoral. Contudo, os privados da PPP Rotas do Algarve Litoral estão a exigir ao Estado esse valor imediato, afirmando que servirá para financiar “apenas as primeiras despesas”.Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: CP, ADSE e rendas acessíveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião