Já são conhecidos os valores para a correção extraordinária das rendas anteriores a 1980

Já são conhecidos os fatores de correção extraordinária a aplicar na atualização das rendas anteriores a 1980. Os aumentos são feitos com base no coeficiente de inflação.

Para os senhorios que tenham inquilinos com contratos de arrendamento anteriores a 1980, já são conhecidos os valores de atualização a serem aplicados nas rendas de 2019 e 2020. Estes aumentos são feitos com base no coeficiente de inflação de cada ano — 1,01115 e 1,0051 –, mas não podem ser aplicados caso as rendas já tenham sido atualizadas no âmbito do Novo Regime de Arrendamento Urbano (NRAU).

Foram publicados em Diário da República os fatores de correção extraordinária fixados anualmente para 2019 e 2020, que permitem aos senhorios atualizar as rendas anteriores a 1980. A lei “determina que as rendas dos prédios arrendados para habitação anteriormente a 1 de janeiro de 1980 podem ser objeto de correção extraordinária durante a vigência do contrato”, sendo que esta atualização é feita através do coeficiente de inflação.

Assim, em 2019 e 2020, os fatores de correção extraordinárias das rendas podem ser aplicados consoante os coeficientes de 1,01115 e 1,0051, respetivamente. Ou seja, as rendas poderão ser atualizadas em 0,51% este ano, uma vez que esta atualização é calculada em função do valor final do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), sem habitação (0,51% em agosto).

No diploma publicado esta quarta-feira, tal como acontece nos anos anteriores, é feita uma distinção entre os municípios de Lisboa e Porto (sem porteira e sem elevador, sem porteira e com elevador, com porteira e sem elevador e com porteira e com elevador) e os restantes do país.

Importa referir que esta atualização não é obrigatória mas, caso aconteça, o senhorio deve informar o inquilino com, no mínimo, 30 dias de antecedência, através de carta registada com aviso de receção. Além disso, se a renda já foi atualizada no âmbito do NRAU, não pode ser novamente atualizada através deste método. Ou seja, terá de se manter no mesmo valor durante o período transitório, que é atualmente de dez anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já são conhecidos os valores para a correção extraordinária das rendas anteriores a 1980

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião