Petrolíferas põem Wall Street em recorde. Tesla derrapa

Os principais índices norte-americanos fecharam em alta, animados pelos dados económicos, mas também pela perspectiva de que uma vacina para o coronavírus poderá estar prestes a ser testada.

Wall Street continua a recuperar das quedas recentes, voltando a tocar níveis recorde. As praças norte-americanas estão a ser animadas pelos dados económicos na maior economia do mundo, mas também pela esperança criada por possíveis tratamentos para o coronavírus.

Foram divulgados dados positivos relativos ao emprego, com a criação de 29 mil empregos nos Estados Unidos da América (EUA) em janeiro, sendo esta a maior subida registada desde maio de 2015, aponta a Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

Além deste sinal de fortalecimento da economia dos EUA, os investidores reagiram também positivamente aos “avanços significativos” na descoberta de uma vacina de combate ao coronavírus — ainda que os ensaios clínicos possam demorar algum tempo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) veio amenizar os ânimos, referindo que, para já, “não há tratamento eficaz conhecido contra o vírus 2019-nCoV”, que já fez 40 mortos e mais de 20 mil infetados.

Neste contexto, e com os preços do petróleo a recuperarem das fortes quedas recentes por receios de uma quebra na procura mundial da matéria-prima, as empresas do setor registaram fortes subidas. Exemplos disso foram a Chevron, que, somou 3,21%, bem como a Exxon Mobil, que avançou 4,60%.

O setor da energia foi mesmo o que mais contribui para os ganhos do S&P 500, que agrega as 500 maiores dos EUA. O índice ganhou 1,04% para 3.331,93 pontos, enquanto o Nasdaq avançou 0,48% para 9.053,74 pontos, com estes dois índices a baterem recordes. Ao mesmo tempo, o industrial Dow Jones, foi a estrela da sessão somando 1,58% para 29.261,39 pontos.

A impedir ganhos mais expressivos esteve o “trambolhão” da Tesla. A empresa liderada por Elon Musk fechou a sessão a cair 17,18% para 734,70 dólares, reagindo às declarações do vice-presidente, Tao Lin, que, informou esta quarta-feira que as entregas programadas para o início de fevereiro sofrerão um atraso, em consequência do fecho da fábrica na China, devido ao coronavírus. Isto acontece um dia depois de a fabricante de automóveis elétricos ter sido a estrela, uma vez que os títulos da empresa superaram pela primeira vez os 900 dólares.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petrolíferas põem Wall Street em recorde. Tesla derrapa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião