É cliente do EuroBic? O que muda com a compra pelo Abanca?

A incorporação do EuroBic no Abanca poderá resultar numa descida dos encargos dos clientes com comissões. Mas se o objetivo for rentabilizar poupanças, o exercício poderá ser mais difícil no Abanca.

O EuroBic tem um novo “dono” após a compra pelo Abanca anunciada esta segunda-feira. Ao incorporar o EuroBic, o banco espanhol conquista perto de 267 mil novos clientes. Para estes não é de esperar que o casamento entre as duas instituições financeiras tenha, pelo menos para já, qualquer impacto. Mas à medida que a união se consolide poderão beneficiar de boas notícias, pelo menos em matéria das comissões que pagam no dia-a-dia. A mudança para o preçário do Abanca poderá permitir poupar até 26%.

Os cálculos têm em conta os preçários em vigor nas duas instituições financeiras e um conjunto de comissões básicas. Caso a incorporação do EuroBic seja realizada nos mesmos moldes do que aconteceu quando o Abanca ficou com a atividade do retalho do Deutsche Bank em Portugal, ou como quando o Santander Totta comprou o Banif e o Popular, é de esperar que as duas instituições financeiras mantenham preçários independentes numa fase inicial. Contudo, mais tarde isso deverá mudar, com os clientes do EuroBic a passarem a ser “taxados” com base no preçário do Abanca.

Não existem garantias de que quando isso acontecer os valores contidos no preçário do banco espanhol sejam os mesmos. Mas assumindo os preçários atuais, os encargos anuais dos clientes do Eurobic podem baixar até 26%, tendo em conta os custos mais habituais associadas à detenção de uma conta bancária. Ou seja, considerando a manutenção de conta, a anuidade do cartão de débito, levantamento de numerário ao balcão (um mensal no cenário base) e transferências online (três mensais no cenário considerado).

Comissões em vigor no EuroBic

Fonte: Preçário do banco | Cenário de um cliente que dispõe de um saldo médio mensal de dois mil euros, cartão de débito, cartão de crédito, três transferências online mensais, 12 levantamentos ao balcão.

Para esses cálculos é necessário considerar, contudo, que a conta à ordem mais básica do Abanca é a conta base. Ou seja, uma conta que, para além da respetiva manutenção, disponibiliza um conjunto de serviços a partir de um custo único. Nomeadamente, um cartão de débito, um teto máximo de três levantamentos ao balcão mensais, transferências intrabancárias (entre contas do Abanca) e online gratuitas. No banco espanhol, essa conta tem um custo anual de 124,8 euros para o cliente.

No caso do EuroBic, o mesmo pacote de serviços, mas contratados separadamente, têm um custo anual de 168,48 euros. Este valor resulta da soma do custo anual de manutenção de conta que é de 49,92 euros, da anuidade do cartão de débito que ascende a 18,72 euros, mas também do total de 12 levantamentos em numerário ao balcão e de 36 transferências online previstos no nosso cenário base e custos anuais são de, respetivamente, 62,4 e 37,44 euros.

Ou seja, existe uma diferença de 43,68 euros entre o que é cobrado pelos dois bancos, e de onde resulta o desconto de 26% em favor do preçário do Abanca.

Comissões em vigor no Abanca

Fonte: Preçário do banco | Cenário de um cliente que dispõe de um saldo médio mensal de dois mil euros, cartão de débito, cartão de crédito, três transferências online mensais, 12 levantamentos ao balcão.

O “desconto” no Abanca é, contudo, um pouco mais curto se considerarmos também a adesão a um cartão de crédito. A anuidade do Abanca Classic é de 31,2 euros, enquanto o EuroBic cobra 20,8 euros pelo EuroBic Classic. Considerando esses valores, o encargo anual no Abanca sobe para 189,28 euros, enquanto no EuroBic aumenta para 156 euros. Ou seja, o preçário do Abanca permite uma poupança de 18% (33,28 euros) quando comparado com o EuroBic.

Mas para aqueles clientes do EuroBic que tenham conta base, pelo contrário, a mudança para o Abanca acarretaria um custo mais elevado, tendo em conta os pressupostos assumidos. No EuroBic, somando o custo dessa conta (62,4 euros) ao da realização de 36 transferências online por ano (37,44 euros) e da anuidade do cartão de crédito (20,8 euros), a fatura anual é de 120,64 euros. Ou seja, menos 23% do que os 156 euros exigidos pelo Abanca.

Depósitos no Abanca menos generosos

Se tem crédito para a casa no EuroBic e optou pela taxa variável, a incorporação no Abanca não deve ter qualquer impacto. Mas se pretender fazer futuramente um empréstimo com essas características, mas no Abanca, provavelmente o mais certo é não o poder fazer exclusivamente com taxa variável.

O preçário do Abanca apenas prevê a disponibilização de financiamento para a compra de habitação a taxa mista, onde o período de taxa fixa pode ir, no entanto, do mínimo de um ano até um máximo de dez anos (concretamente, um, dois, três, quatro, cinco, ou dez anos). No período em que vigorar a taxa variável, o leque de spreads vai de um mínimo e 1,115% a um máximo de 2,25%. Já no caso do EuroBic, o atual leque de spreads vai de um mínimo de 1,1% até um máximo de 2,15%. Ou seja, os valores não diferem muito entre os dois bancos.

Já no que respeita à remuneração das poupanças, o EuroBic é mais generoso do que o Abanca. Para aplicações a um ano de montantes até cinco mil euros, no banco liderado por Teixeira dos Santos é possível beneficiar de uma taxa de juro de 0,5% (TANB). No caso do banco espanhol, para montantes da mesma ordem e prazo semelhante, no limite é possível obter um juro bruto de 0,01%, isto através do depósito a prazo ON.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É cliente do EuroBic? O que muda com a compra pelo Abanca?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião