Abanca lucra mais de 400 milhões em 2019

O Abanca, que está na corrida pelo EuroBic, registou lucros de 405 milhões de euros em 2019, um aumento de 6,7% face a 2018.

O Abanca registou lucros de 405,0 milhões de euros em 2019, um aumento de 6,7% face ao mesmo período do ano anterior. Em 2018, o banco liderado por Juan Carlos Escotet lucrou cerca de 380 milhões.

O banco explicou que fruto de uma reorganização societária ocorrida durante o ano passado, depois de a holding ter sido absorvida pelo banco, houve lugar mudanças nas contas de 2018. Em vez dos lucros de 437 milhões, registou um lucro de 380 milhões. Que subiram agora quase 7% para 405 milhões em 2019.

O Abanca é um dos interessados na compra do EuroBic, onde a empresária angolana está a vender a sua participação de 42,5%. Escotet confirmou esse interesse na conferência de resultados realizada esta terça-feira. “Não sabemos qual a posição dos outros acionistas [do EuroBic]. Se não houver um mínimo de 75% do controlo, não participamos”, assegurou.

Em 2019, o Abanca comprou a operação de retalho do Deutsche Bank em Portugal e ainda o Banco Caixa Geral, da Caixa Geral de Depósitos (CGD), em Espanha, cuja integração ficará plenamente concluída no próximo mês, referiu Escotet.

Em relação a Portugal, o Abanca adiantou que o negócio está a correr melhor do que o planeado, em todas as frentes: mais 20% dos resultados do que o previsto, com os depósitos de clientes a crescerem mais 14% do que o esperado, assim como o crédito a ficar 6,4% acima.

Estas duas aquisições estão na base do crescimento do volume de negócios (depósitos e crédito) do Abanca no ano passado: superou pela primeira vez os 85 mil milhões de euros, após ter registado um crescimento superior a 20%. Enquanto os empréstimos a clientes cresceram quase 23% para mais de 35 mil milhões de euros, os recursos aumentaram 24% para 48,3 mil milhões.

Contas feitas, Portugal representa já 7% das receitas do Abanca (contributo de 50 milhões de euros) e 8% do volume de negócios (6,7 mil milhões no balanço).

A margem financeira (diferença entre juros recebidos no empréstimos e os juros pagos nos depósitos) melhorou 5,8% para os 780 milhões de euros.

Sobre a qualidade do balanço, o banco registou em 2019 uma nova descida no seu nível de empréstimos duvidosos, que foi de 5,6% no conjunto da entidade, situando a taxa de incumprimento em 2,8%. “O Abanca é o primeiro banco por cobertura de ativos não produtivos, com uma taxa de cobertura total de 58,8%”, assegura a entidade.

O Abanca salienta ainda que cumpre confortavelmente os rácios de capital.

Jornalista viajou a Santiago de Compostela a convite do Abanca

(Notícia atualizada às 12h33)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Abanca lucra mais de 400 milhões em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião