Abanca sai da Media Capital e quer ficar com 10% da Cofina

Os espanhóis do Abanca detém 5% da dona da TVI. Vão vender essa participação à Cofina para depois aplicar o dinheiro no aumento de capital do grupo de Paulo Fernandes.

O Abanca vai vender a sua posição na Media Capital na oferta pública de aquisição (OPA) da Cofina. E com o dinheiro da venda vai participar no aumento de capital que o grupo de media de Paulo Fernandes está a realizar para financiar a compra da TVI. No final, o banco galego passará a deter cerca de 10% da “nova” Cofina.

O banco liderado por Juan Carlos Escotet detém atualmente 5,05% da Media Capital. Essa posição vai ser alienada na OPA da Cofina sobre a dona da TVI depois de ter fechado o negócio com os espanhóis da Prisa (donos de 95% da Media Capital) por cerca de 205 milhões de euros.

Com o produto resultante da alienação na OPA, o Abanca participará no aumento de capital de 85 milhões de euros que o grupo que detém o Correio da Manhã, CMTV, Sábado, Recorde e Jornal de Negócios aprovou na semana passada para financiar a aquisição da Media Capital. Foi este o acordo negociado entre todas as partes para acelerar o processo. A operação ficará concluída até final do primeiro trimestre deste ano.

“Para levar a cabo o acordo de aquisição por parte da Cofina, vamos acompanhar o aumento de capital para manter a posição que detemos e que é ligeiramente inferior a 10% da Cofina com Media Capital dentro”, adiantou o CEO do banco, Francisco Botas, durante a conferência de apresentação de resultados anuais, em Santiago de Compostela, Espanha.

Escotet adiantou que o Abanca irá manter a sua posição original na sequência deste processo.

Está previsto que o Paulo Fernandes (dono da Cofina), o empresário Mário Ferreira e o Abanca fiquem com cerca de 51% da Cofina que integrará a Media Capital, dona da TVI.

Além do aumento de capital, o investimento na compra da TVI terá ainda financiamento garantido do Santander e da Société Générale.

Jornalista viajou a Santiago de Compostela a convite do Abanca

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Abanca sai da Media Capital e quer ficar com 10% da Cofina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião