Banco de Portugal aplica novas coimas a Tomás Correia e ao Montepio

  • ECO
  • 12 Fevereiro 2020

Foi definida uma coima no valor de 400 mil euros ao Banco Montepio, e coimas de 150 mil euros para Tomás Correia e para outro ex-administrador.

O Banco de Portugal lançou uma coima no valor de 400 mil euros ao Banco Montepio, e coimas de 150 mil euros para Tomás Correia e para outro ex-administrador, José Almeida Serra, avança o Observador (acesso livre). Estas são no âmbito do processo que investigou as irregularidades detetadas na Caixa Económica Montepio Geral (CEMG), em 2015.

Esta condenação resulta das conclusões de que o Banco Montepio tinha fragilidades nos sistemas de prevenção de branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, quando Tomás Correia estava na liderança. O Banco e os advogados dos antigos administradores já foram notificados. Entre as infrações detetadas, 12 foram imputadas a Tomás Correia, 12 a José Almeida Serra e 16 à CEMG.

Existe ainda outro processo que incide sobre o Banco Montepio, de acordo com a publicação. O Banco de Portugal estará a negociar com a instituição para ver se este aceita uma coima adicional de 200 mil euros, sendo que, se não aceitar o pagamento, o processo passa para a dedução de uma acusação. Este processo está relacionado com uma obrigação da CEMG e não envolve os administradores.

No ano passado, o Banco de Portugal tinha já condenando o Montepio e oito antigos administradores, incluindo Tomás Correia, ao pagamento de coimas no valor total de 4,9 milhões de euros, mas o Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão declarou nula a nota de ilicitude. Estava em causa, entre outros, a quebra das regras de controlo interno na gestão da instituição financeira.

(Notícia atualizada às 17h55)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal aplica novas coimas a Tomás Correia e ao Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião