Galp quer que a Flow seja “o sistema operativo da mobilidade urbana global”

Flow nasce da parceria tecnológica entre a Galp e o Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto e tem como objetivo otimizar a forma como as pessoas se movem e contribuir para a descarbonização.

A Flow, startup portuguesa que integra serviços disruptivos de energia e mobilidade através de uma plataforma tecnológica, nasceu da parceria tecnológica entre a Galp e o Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto (Ceiia). Dedica-se a frotas empresariais, mobilidade elétrica urbana e partilha de veículos.

“Queremos ser o sistema operativo da mobilidade urbana a nível global”, destaca o CEO da Galp, Carlos Gomes da Silva. Acrescenta ainda que um dos objetivos da empresa é “alocar mais de 40% do investimento da Galp a projetos e negócios que estão associados a transição de uma economia de baixa emissão carbónica ou até mesmo nenhuma”, destaca o CEO da Galp, na apresentação das novas instalações da Flow, na refinaria de Matosinhos.

A nova CEO da Flow, Jane Hoffer, está confiante com esta parceria e destaca que a startup está “preparada para aproveitar o novo paradigma da mobilidade, com o foco em soluções corporativas e urbanas. O nosso objetivo é otimizar a forma como as pessoas se movem e, através disso, contribuir para o esforço global de descarbonização”, afirma Jane Hoffer.

Jane Hoffer quer chegar mais longe e “levar as soluções inovadoras de produtos e serviços tecnológicos da Flow a outros mercados, com o objetivo de ter um impacto duradouro e significativo no nosso mundo”, refere.

Para o CEO da Galp, o mundo vai mudar muito e muito depressa e existe a necessidade de “ter a nossa estratégica muito bem definida e olhar para esta nova era como uma era de oportunidades. Um momento único que a humanidade está a viver e se o abraçarmos estaremos na liderança e saímos como vencedores”, refere com entusiasmo o CEO da Galp, Carlos Gomes da Silva.

“A mobilidade está na essência da nossa empresa. A tecnologia está ligada ao digital, ao novo mundo, de como a utilização da informação permite organizar uma nova lógica de negócios”, destaca o CEO da Galp, Carlos Gomes da Silva.

“A mobilidade está na essência da nossa empresa e queremos ser o sistema operativo da mobilidade urbana a nível global.

Carlos Gomes da Silva

CEO da Galp

A Flow conta atualmente com uma equipa de 50 colaboradores e sustenta a maior rede pública e privada de carregadores de veículos elétricos em Portugal. Adicionalmente, as iniciativas de eletrificação de frotas no país feitas em Lisboa e no Porto, em conjunto com a LeasePlan e a ALD, comprovam a experiência e eficácia nos serviços de e-mobilidade da Flow.

Através de soluções modulares e escaláveis, esta startup tecnológica promete acelerar a adoção da mobilidade partilhada e elétrica, contribuindo ativamente para a transição de frotas abastecidas por combustíveis fósseis para frotas elétricas.

Startup Flow, desenvolvida pelo CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto, em MatosinhosFlow

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Galp quer que a Flow seja “o sistema operativo da mobilidade urbana global”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião