Condenações de Tomás Correia em risco de prescrição

  • ECO
  • 15 Fevereiro 2020

Contratempos relacionados com recursos interpostos no processo fazem aumentar o risco de prescrição dos factos imputados a Tomás Correia.

Os factos imputados a Tomás Correia, que levaram o Banco de Portugal (BdP) a aplicar ao antigo administrador do Montepio uma coima de 1,25 milhões de euros, estão em risco de prescrição, enquanto se aguarda por uma decisão do Tribunal da Relação, avança o Expresso (acesso pago).

Em setembro, o tribunal de Santarém declarou nula a nota de ilicitude emitida pelo BdP condenando o Montepio e oito antigos administradores ao pagamento de coimas no valor total de 4,9 milhões de euros, depois de um recurso dos arguidos. O BdP, por sua vez, decidiu recorrer desta decisão, bem como o Ministério Público (MP). Mas o Tribunal da Relação só pode pronunciar-se quanto a isso quando for decidido se o recurso no tribunal de Santarém tem efeito suspensivo ou não.

A questão sobre efeito suspensivo, um recurso do MP, foi colocada antes do julgamento, anulando todas as decisões tomadas a seguir. Devido a este contratempo, o tribunal terá de voltar a decidir sobre a nulidade das acusações, bem como sobre o efeito suspensivo, que determina se os arguidos têm de pagar uma caução relativa às coimas aplicadas.

Consoante a decisão do juiz, poderão surgir novos recursos que podem atrasar o processo. Neste cenário, a retoma do julgamento pode arrastar-se até ao final do verão, o que levaria à prescrição de mais factos. Já em junho do ano passado, antes de o julgamento ter começado, prescreveram alguns factos, e em dezembro aconteceu novamente, porque as condenações são relativas a factos que aconteceram entre 2009 e 2014, e o período para prescrição é de oito anos. Em 2022, os factos estão todos prescritos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Condenações de Tomás Correia em risco de prescrição

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião