ūüďĻ Nunca houve tanta azeitona para azeite. Produ√ß√£o atinge recorde

INE antecipa uma produção historicamente elevada de azeitona para azeite, de mais de 940 mil toneladas, a maior desde 1941.

Portugal prepara-se para atingir um recorde de produ√ß√£o de azeitona para azeite. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estat√≠stica (INE), a campanha ole√≠cola ser√° ‚Äúmuito positiva‚ÄĚ, isto ao mesmo tempo que a dos cereais vai cair para m√≠nimos hist√≥ricos.

‚ÄúAs previs√Ķes agr√≠colas, em 31 de janeiro, apontam para uma produ√ß√£o historicamente elevada de azeitona para azeite, de mais de 940 mil toneladas, a maior desde 1941. Os rendimentos em azeite tamb√©m dever√£o aumentar, o que permite antever um balan√ßo muito positivo para esta campanha ole√≠cola‚ÄĚ, refere o INE.

Com a colheita ‚Äúpraticamente conclu√≠da‚ÄĚ, a produ√ß√£o de azeitona para azeite dever√° registar um aumento de 30% face √† campanha de 2018, tendo decorrido ‚Äúde forma distinta‚ÄĚ nas duas principais regi√Ķes produtoras: Alentejo e Tr√°s-os-Montes.

Ao mesmo tempo que a azeitona para azeite brilha, no caso dos cereais de inverno, e numa altura em que as sementeiras est√£o ‚Äúpraticamente conclu√≠das‚ÄĚ, a produ√ß√£o dever√° encolher. O INE estima, ‚Äúpelo s√©timo ano consecutivo, uma redu√ß√£o da √°rea instalada de cereais de inverno, nomeadamente no trigo mole e aveia (-5%), no triticale e cevada (-10%) e no trigo duro (-15%)‚ÄĚ.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescrit√≠veis, sem paralelo, e isso √©, em si mesmo, uma express√£o do que se exige hoje aos jornalistas que t√™m um papel essencial a informar os leitores. Se os m√©dicos s√£o a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que s√£o contaminados por este v√≠rus, os jornalistas, o jornalismo √© o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses m√©dicos. √Č esse um dos pap√©is que nos √© exigido, sem quarentenas, mas √† dist√Ęncia, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores t√™m acesso a informa√ß√£o cred√≠vel, rigorosa, tempestiva, √ļtil √† decis√£o. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas √ļltimas semanas, visitaram o ECO escolham por c√° ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunica√ß√£o, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de tr√™s anos de hist√≥ria.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo √© economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos econ√≥micos e as consequ√™ncias desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consult√≥rio de perguntas e respostas sobre as mudan√ßas na lei, em parceria com escrit√≥rios de advogados. Contamos hist√≥rias sobre as empresas que est√£o a mudar de neg√≥cio para ajudar o pa√≠s
  • Escrutinamos o que o Governo est√° a fazer, exigimos respostas, sa√≠mos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecr√£s das plataformas que nos permitem questionar √† dist√Ęncia.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO √© um jornal econ√≥mico online para os empres√°rios e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de cria√ß√£o de riqueza, para os estudantes que est√£o a chegar ao mercado de trabalho, para os novos l√≠deres.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise econ√≥mica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a fun√ß√£o do ECO e dos seus jornalistas √© ainda mais cr√≠tica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas ‚Äď n√£o s√£o fake news, porque n√£o s√£o news --, a responsabilidade dos jornalistas √© imensa. N√£o a recusaremos.

No entanto, o jornalismo n√£o √© imune √† crise econ√≥mica em que, na verdade, o setor j√° estava. A comunica√ß√£o social j√° vive h√° anos afetada por v√°rias crises ‚Äď pela mudan√ßa de h√°bitos de consumo, pela transforma√ß√£o digital, tamb√©m por erros pr√≥prios que importa n√£o esconder. Agora, somar-se-√£o outros fatores de press√£o que p√Ķem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as not√≠cias existem nos jornais, as redes sociais s√£o outra coisa, t√™m outra fun√ß√£o, n√£o (nos) substituem. Mas os meios v√£o conseguir estar √† altura dessa redescoberta?

√Č por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas not√≠cias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, n√£o gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e algu√©m o paga. No nosso caso, s√£o desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na fun√ß√£o do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que tamb√©m acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos neg√≥cios, a de desenvolvimento digital e multim√©dia est√£o a fazer a sua parte. Mas vamos precisar tamb√©m de si, caro leitor, para garantir que o ECO √© econ√≥mica e financeiramente sustent√°vel e independente, condi√ß√Ķes para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‚Äėfreemium‚Äô, isto √©, com not√≠cias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que poss√≠vel, os termos e as condi√ß√Ķes desta evolu√ß√£o, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta √© uma carta de apresenta√ß√£o, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas pr√≥ximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Coment√°rios ({{ total }})

ūüďĻ Nunca houve tanta azeitona para azeite. Produ√ß√£o atinge recorde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discuss√£o dando a sua opini√£o