BCP com lucros de 302 milhões. É o melhor resultado desde 2007

Banco liderado por Miguel Maya registou lucros de 302 milhões de euros em 2019, uma subida ligeira de 0,3% face ao ano anterior. São os melhores resultados em 12 anos.

O BCP registou lucros de 302 milhões de euros em 2019, o que corresponde a uma ligeira subida de 0,3% face a 2018. Foram os melhores resultados em 12 anos, com o banco liderado por Miguel Maya a surpreender os analistas que esperavam uma quebra dos lucros para 283 milhões.

Apesar da subida, os resultados do ano passado foram penalizados por custos não recorrentes no negócio polaco, onde o Bank Millennium (detido a 50,01% pelo BCP) fechou a aquisição de um banco e foi também obrigado a criar uma provisão extraordinária de 52 milhões de euros devido a eventuais perdas com disputas judiciais relacionadas com o caso dos créditos concedidos em francos suíços. Também a anulação de ativos por impostos diferidos pesou nas contas do ano passado.

Isso mesmo explicou Miguel Maya, CEO do banco, durante a apresentação de resultados. “2019 foi adverso para o setor financeiro. As razões são sobejamente conhecidas como as taxas de juro e as expectativas de taxas de juros que vão manter-se mais baixas durante mais tempo do que o esperado e a guerra comercial. Mas também houve fatores específicos do BCP“, disse.

Com o BCE a pressionar o negócio bancário, o BCP viu, ainda assim, a margem financeira (diferença entre juros cobrados e juros pagos) subir 8,8% para 1.548,5 milhões de euros, enquanto as comissões subiram quase 3% para 703 milhões de euros. Feitas as contas, o produto bancário aumentou 7% para 2.252,0 milhões de euros.

O banco fez-se valer do aumento dos volumes de negócio para contrariar a pressão da política monetária. Registou um aumento nos stocks de crédito e recursos de clientes, que ascenderam a 136,4 mil milhões de euros.

Do lado positivo, o BCP contou ainda com mais-valias superiores a 30 milhões de euros com a venda de dívida pública, que também ajudaram nos resultados.

Sem anúncio de dividendo

Durante a conferência de imprensa, Miguel Maya sublinhou os esforços para limpar o balanço, com o nível de ativos não produtivos a cair mais do que a meta estabelecida. “Aceleramos o programa de redução de NPE, entregamos mais do que o esperado, mas tem sempre um custo adicional”, frisou.

O rácio de NPE baixou 1.500 milhões de euros em todo o grupo BCP para 4.200 milhões de euros. O rácio do crédito malparado baixou dos 6,1% para 4,1%. “É uma trajetória francamente positiva”, notou o líder do BCP.

O banco destaca ainda os rácios de capital robustos face às exigências regulatórias, com o rácio total fixado nos 15,6% — 2,3 pontos percentuais face ao exigido.

Quanto aos custos operacionais, o BCP registou um aumento de 13,8% para 1.169 milhões de euros, em parte explicado com a integração do EuroBank no Millennium Bank.

Ao contrário do ano passado, o BCP não anunciou quanto é que vai pagar em dividendos aos acionistas. Em 2018, o payout foi de 10%, o que se traduziu em dividendos na casa dos 30 milhões de euros. O objetivo é atingir um payout de 40% em 2021.

(Notícia atualizada às 17h38)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP com lucros de 302 milhões. É o melhor resultado desde 2007

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião