Jerónimo Martins aposta no takeaway. Vai para três novos países

Retalhista vendeu e lucrou mais em 2019. Agora, quer continuar a crescer: em Portugal através das refeições feitas e, lá fora, com a entrada em novos países.

A Jerónimo Martins vai investir entre 700 e 750 milhões de euros este ano para reforçar a atividade. O plano passa por limitar o número de novas lojas, mas melhorar as que já tem, enquanto aposta no takeaway. O CEO Pedro Soares dos Santos quer expandir para três novos países, mas ainda não há data para o fazer.

O Pingo Doce vai ser cada vez mais uma empresa de restauração. É o que os portugueses querem cada vez mais são refeições prontas para levar para casa. É um caminho que vamos continuar a fazer”, anunciou o gestor, na conferência de imprensa em que apresentou os resultados de 2019.

A Jerónimo Martins fechou o ano passado com lucros de 433 milhões de euros, um aumento de 7,9% face ao alcançado no ano anterior. As vendas do grupo atingiram os 18,6 mil milhões de euros, sendo que o takeaway contribui atualmente com 150 milhões para a atividade em Portugal. Pedro Soares dos Santos quer ver este montante a subir.

Pingo Doce vai ter restaurante fora do supermercado

“O Pingo Doce desenvolverá o seu novo conceito de loja, centrado na área da restauração e comida pronta e suportado pela capacidade acrescida resultante da recente abertura de mais uma cozinha central e do investimento adicional em know-how de meal solutions”, anunciava no relatório de apresentação de resultados.

Na conferência de imprensa deu ainda outra novidade: “Vamos um abrir um restaurante stand alone“, disse, apesar de não querer adiantar qual a data ou localização. O Pingo Doce tem produção própria de refeições, tendo aberto, em 2019, uma nova mega cozinha (em Aveiro, que se juntou à já existente em Odivelas) que recebeu um investimento de 17 milhões de euros e tem capacidade de produção para 10 mil toneladas ao ano.

República Chega, Eslováquia e (depois) a Roménia

Em todas as geografias, a Jerónimo Martins pretende abrir novas lojas: 100 da polaca Biedronka (60% das quais no formato standard e as restantes no conceito de menor dimensão), 50 da marca polaca de beleza Hebe e 130 à colombiana Ara. Em Portugal, serão dez novas localizações da marca Pingo Doce e uma da Recheio (em Cascais).

Mas há estratégiasdiferenciadas. Se em Portugal o crescimento passa por reforçar este segmento de negócio, lá fora o plano é outro. Com a marca Hebe, a Jerónimo Martins está a preparar a entrar em dois novos países: a República Checa e a Eslováquia. Esta expansão deverá ficar concretizada ainda este ano e o próximo país que Soares dos Santos tem debaixo de olho é a Roménia, o que poderá acontecer através de aquisições.

"A Jerónimo Martins tem feito um reforço muito grande no balanço porque está a chegar o momento da Biedronka crescer além-fronteiras. Todos sabem que o que gostaríamos era a Roménia.”

Pedro Soares dos Santos

CEO da Jerónimo Martins

A empresa justificou a política de dividendos com querer ter espaço para aproveitar qualquer “potencial oportunidade de crescimento não-orgânico”, mantendo em simultâneo um nível reduzido de dívida líquida. Questionado sobre a possibilidade de fazer aquisições, o gestor não negou e apontou para a Roménia com um mercado potencial.

“A Jerónimo Martins tem feito um reforço muito grande no balanço porque está a chegar o momento da Biedronka crescer além-fronteiras. Todos sabem que o que gostaríamos era a Roménia. Se será este ano ou no próximo não sabemos, mas está no curto prazo”, explicou. “Vamos traçar um plano para 2020 para 2025 e a Roménia está certamente lá“.

Investigação da AdC na Polónia? “Não vale a pena preocupar-nos”

A retalhista polaca Biedronka é o maior mercado do grupo, tendo a faturação atingido os 12,6 mil milhões de euros. A Jerónimo Martins tem, no entanto, enfrentado dificuldades no país. Uma das principais prende-se com as mudanças regulatórios que obrigaram a que as lojas da cadeia passassem a fechar aos domingos. “Já não é uma questão. O mercado todo já se adaptou”, garantiu o gestor.

Mais recentemente, o regulador polaco UOKiK abriu uma investigação à forma como os preços na Biedronka são apresentados aos clientes no seguimento de várias queixas de consumidores que pagaram um valor mais elevado na caixa face ao apresentado nas prateleiras. É a segunda investigação depois de uma outra sobre uso de vantagem contratual desleal.

“Não sabemos de nada. Não vale preocupar-nos com um tema em que temos de esperar”, disse apenas Soares dos Santos sobre o assunto. E reafirmou o peso do país para o grupo: “Polónia é o grande motor e foi aí que a Jerónimo Martins fez grandes apostas. É um país que tem potencial de crescer ainda mais do que tem crescido”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo Martins aposta no takeaway. Vai para três novos países

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião