Ações mundiais corrigem do selloff provocado pelo coronavírus. BCP e EDP disparam em Lisboa

Com os investidores ainda a avaliarem o impacto do coronavírus na economia global, as bolsas mundiais estão a recuperar após duas sessões de fortes perdas generalizadas.

Ao terceiro dia, as ações respiram de alívio. O selloff causado pelos receios relacionados com o coronavírus poderá estar prestes a chegar ao fim com as principais bolsas a inverterem a tendência das últimas sessões e a negociarem em terreno positivo. Em Lisboa, o BCP, a EDP e a Nos lideram os ganhos e levam o índice PSI-20 a avançar 0,74% para 5.116,26 pontos.

O número de casos confirmados de coronavírus atingiu 81.000 e tanto o número de pessoas curadas (30.165 pacientes) como as vítimas mortais (2.764) aumentaram. Na Europa, há já casos em Espanha e na Grécia, enquanto na América do Sul foi confirmado o primeiro infetado no Brasil.

A disseminação da doença — e a incerteza face ao eventual impacto que poderá ter na economia global — tem levado a fortes quedas nas bolsas desde o início da semana com o PSI-20 a perder 3,7 mil milhões de euros em apenas dois dias.

“Inevitavelmente impactará o crescimento, não só na China, mas também a nível global. Alguns setores mais cíclicos ou com maior exposição à China deverão sofrer uma quebra importante na sua atividade. Entre eles, os setores automóvel, commodities, companhias aéreas, hotéis… Contudo trata-se de uma situação conjuntural, não estrutural. Por esse motivo, devemos estar bem posicionados para quando a epidemia for controlada“, diz a equipa de research do Bankinter.

A expetativa dos analistas do banco é de recuperação para as ações, o que já está a acontecer tanto nos Estados Unidos como na Europa. A meio da terceira sessão, o índice de referência nacional começou a recuperar.

O BCP dispara quase 3% para 0,178 euros por ação, após ter tocado mínimos de quase três anos, enquanto a EDP — um dos títulos mais penalizados nas primeiras sessões da semana — ganha 2% para 4,58 euros. A Nos, telecom cujas ações atingiram o valor mais baixo desde 2013, ganha 1,2% para 3,87 euros. Também a Galp Energia, os CTT e a Jerónimo Martins seguem em terreno positivo.

Portugal está entre as maiores recuperações na Europa, a par do espanhol IBEX 35 e atrás do italiano FTSE MIB, que dispara mais de 1,5%. As ações europeias afundaram para o valor mais baixo em quatro meses e o índice Stoxx 600 mantém-se na linha de água. O francês CAC 40, o alemão DAX e o holandês AEX continuam a desvalorizar.

Banco liderado por Miguel Maya lidera recuperação lisboeta

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ações mundiais corrigem do selloff provocado pelo coronavírus. BCP e EDP disparam em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião