Dobrável da Huawei custa 2.500 euros. Mas não tem apps da Google

A Huawei reforçou a linha dos dobráveis ao apresentar o Mate Xs. É um aparelho 5G com ecrã de até oito polegadas. Mas não tem a Play Store nem outros aplicativos da Google.

Há um novo dobrável na gama de smartphones da Huawei. Chama-se Mate Xs e é o telemóvel mais caro alguma vez apresentado pela marca chinesa: vai custar 2.499 euros na Europa e usa o sistema Android, apesar de não incluir as ferramentas mais populares da Google, como a loja Play Store, o Google Maps ou mesmo o YouTube.

A gigante tecnológica ainda está sujeita às restrições da Casa Branca, que impedem a Google de lhe fornecer tecnologia. Ainda assim, a Huawei quis mostrar que não desiste e recorreu à versão do Android de código aberto. Como alternativa à Play Store e aos aplicativos da Google, o Mate Xs traz ferramentas alternativas que foram desenhadas pela Huawei.

O Mate Xs é um telemóvel 5G que dobra ao meio e, segundo a imprensa especializada, contém melhorias incrementais face ao anterior Mate X. No entanto, desta vez, ao contrário do modelo anterior, que primeiro foi lançado exclusivamente na China, a Huawei tenciona comercializar o Mate Xs na generalidade dos países em que está presente, incluindo na Europa. Não se sabe é, exatamente, quando chegará às lojas.

O novo Huawei Mate Xs é semelhante ao anterior Mate X, mas tem algumas melhorias incrementais. Vai custar quase 2.500 euros na Europa.Huawei

Este aparelho já inclui o novo processador da marca, o Kirin 990, mas é mesmo o grande ecrã que o caracteriza: quando está aberto, o ecrã OLED do Mate Xs tem oito polegadas, uma espécie de pequeno tablet. É feito a pensar nos utilizadores mais multi-tarefais, uma vez que permite correr três aplicações em simultâneo. Também é ideal para ver filmes e séries.

Novamente, ao contrário da opção seguida pela concorrente Samsung, o dobrável da Huawei deixa exposto dois ecrãs, um de 6,6 polegadas e outro de 6,38 polegadas (o “antigo” Galaxy Fold, quando dobrado, não deixava expostas as duas metades do ecrã). A câmara principal é um sistema com quatro lentes da marca LEICA e, por ser dobrável, não tem câmara das selfies: para captar um autorretrato, basta virar a câmara principal para si.

Este aparelho da Huawei vem reforçar a aposta da marca nos dobráveis, um segmento de mercado que nasceu no ano passado, num contexto de alguma estagnação no mercado mobile. A Huawei e a Samsung, que estão no “top 3” das marcas que mais telemóveis vendem em todo o mundo, têm estado na vanguarda desta novidade, com a Apple a não dar sinais de querer explorar esta via.

O Mate Xs, o segundo da linha dobrável da Huawei, representa ainda um desvio nas opções tomadas pelas principais marcas de telemóveis dobráveis: a Samsung não atualizou o Galaxy Fold este ano, tendo optado por apresentar um telemóvel que dobra ao meio, mas na vertical, ao qual chamou Galaxy Z Flip.

Esperava-se que a Huawei apresentasse o Mate Xs num evento paralelo ao Mobile World Congress (MWC). Porém, o cancelamento da feira de tecnologia de Barcelona, por causa da epidemia do coronavírus, levou a empresa a optar por uma apresentação pré-gravada, à qual chamou de keynote virtual.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dobrável da Huawei custa 2.500 euros. Mas não tem apps da Google

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião