Ninguém quer trabalhar na comissão de acompanhamento à venda do Novo Banco

Comissão de acompanhamento dos ativos tóxicos do Novo Banco está incompleta há um ano. Máximo dos Santos diz que não consegue contratar ninguém. "Muitos fogem".

Quando o Novo Banco foi vendido ao Lone Star, em outubro de 2017, criou-se uma comissão de acompanhamento para a venda da instituição com três elementos. Um deles saiu há um ano e até hoje o lugar continua por ocupar. O Fundo de Resolução já fez vários convites, mas foram todos rejeitados. Porquê?

Muita gente foge deste assunto [Novo Banco], sente que não tem ânimo nem vontade para tratar dele“, explicou Luís Máximo dos Santos, presidente do Fundo de Resolução, que detém ainda 25% da instituição financeira.

“Muitos acabam por ter incompatibilidade devido a funções que exerceram no passado”, acrescentou ainda, adiantando que fez vários convites mas foram recusados.

No Parlamento, onde está a ser ouvido na Comissão de Orçamento e Finanças, Máximo dos Santos disse ainda que não tem sido “fácil encontrar” pessoas com “os conhecimentos, a preparação técnica e a disponibilidade” para desempenhar “um trabalho temporário”.

Há cerca de um ano, Miguel Athayde Marques deixou a comissão de acompanhamento da venda do Novo Banco, alegando incompatibilidade devido ao facto de a sua mulher ter integrado a administração do Santander. Este órgão tem por missão escrutinar as decisões do banco naquilo que possa ter impacto na chamada de capital ao Fundo de Resolução através do mecanismo de capital contingente, nomeadamente as vendas de malparado e outros ativos problemáticos que têm dado prejuízos significativos.

Atualmente, são dois membros: José Rodrigues de Jesus (presidente) e José Bracinha Vieira (vice-presidente), ambos nomeados exclusivamente pelo Fundo de Resolução.

Máximo dos Santos reconheceu que o Novo Banco até está a perder com esta situação, dado que o terceiro elemento é designado em conjunto pelo Fundo de Resolução e Novo Banco.

“Os dois membros que lá estão têm emitido os seus pareceres, acompanhando os comités, não se resguardam nos seus esforços”, disse ainda.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ninguém quer trabalhar na comissão de acompanhamento à venda do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião