Quer ir trabalhar para o interior? Há novos incentivos

Num Conselho de Ministros descentralizado, o Executivo aprovou um pacote de medidas para ajudar a corrigir as "assimetrias regionais" que visam tornar o interior masi atrativo ao investimento.

Promover a fixação da população no interior do país, mas também ajudar a atrair investimentos para estes territórios é o objetivo do pacote de medidas aprovadas esta quinta-feira em Conselho de Ministros realizado em Bragança. Dar incentivos aos funcionários públicos que decidam ir trabalhar para o interior, apoios financeiros para os trabalhadores de PME que se mudem para estes territórios ou incentivar as empresas a investir, nomeadamente em parceria com as universidades, são alguns dos exemplos.

O programa de incentivos à fixação de trabalhadores do Estado no interior abrange “tanto incentivos de natureza pecuniária como outros aspetos relacionados com a prestação de trabalho”. Serão atribuídas ajudas de custo quando essa mobilidade “seja determinada pelo Estado”, sendo dada uma “compensação remuneratória”, definida por portaria, quando a deslocação ocorra “por vontade” do trabalhador. Estão também previstos “apoios para as famílias com filhos jovens que tenham abono [de família]”, explicou horas antes a ministra Alexandra Leitão, à Lusa.

O objetivo deste programa é “reforçar os estímulos à mobilidade geográfica no mercado de trabalho e adotar políticas ativas de repovoamento dos territórios de baixa densidade populacional”, sublinha o comunicado do Conselho de Ministros, acrescentando que “o diploma, aprovado na generalidade, seguirá agora para consulta pública”.

Por outro lado, foi também aprovado o programa já conhecido de apoio aos trabalhadores do setor privado que aceitem ir trabalhar para o interior. Neste caso está um apoio inicial de 4.827 euros. Batizado de “Trabalhar no Interior”, este programa inclui incentivos de contratação para empresas e medidas de apoio ao regresso dos emigrantes. Por outro lado, os estágios profissionais que se realizem no interior terão uma majoração de dez pontos percentuais na comparticipação da bolsa pelo IEFP, bem como a majoração em 20% do prémio-emprego (conversão do contrato de estágio em contrato sem termo). A nível da formação profissional, o Governo vai abrir 13 Centros Qualifica, e serão flexibilizadas as regras relativas ao número mínimo de alunos por curso.

E para reduzir as desigualdades, uma das prioridade assumidas pelo Executivo, através do “combate às disparidades regionais e à promoção de um desenvolvimento equilibrado dos territórios” foi ainda aprovado o programa +CO3SO que tem uma vertente laboral, mas também empresarial seja através de apoios às empresas que queiram investir no interior. No seu conjunto está em causa apoios de 426 milhões de euros que deverão permitir criar 4.200 postos de trabalho diretos.

O Governo destaca dois aspetos deste programa — a vertente do conhecimento e a digital — mais virado para as empresas e para as universidades e que só por si, com 50,5 milhões de fundos comunitários deverá criar 424 postos de trabalho.

O programa de mobilidade de estudantes “Conhecer Portugal”, quer apoiar a realização de estágios e atividades de I&D sobre as regiões portuguesas de menor densidade populacional de Portugal, e o “Programa Internacional de Investigação sobre Montesinho”, “orientado para atividades de investigação e desenvolvimento que promovam a relevância internacional do Parque Natural do Montesinho, e a criação do Observatório de Montesinho” foram outras das medidas aprovadas no âmbito da estratégia de Coesão Territorial discutida pelo Executivo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Quer ir trabalhar para o interior? Há novos incentivos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião