Britânicos a viver na União Europeia terão documento comum de residência

A Comissão Europeia quer criar um documento físico de residência para os britânicos que vivem na União Europeia, para ser utilizado depois do Brexit.

Os britânicos que vivem na União Europeia (UE) terão um documento comum de residência. A Comissão Europeia quer criar este documento até ao final do período de transição da saída do Reino Unido do UE, a 31 de dezembro deste ano.

Com esta medida, a Comissão Europeia quer garantir que os residentes britânicos na UE têm um documento físico “simples e uniforme” para os ajudar a comprovar a situação em que se encontram, adianta o Politico (acesso livre, conteúdo em inglês).

O documento será emitido pelo Estado-membro em que o candidato reside, para ser usado apenas quando o período de transição do Brexit terminar. O documento biométrico de residência terá o mesmo formato em todos os Estados-membros e será semelhante a autorizações de residência para outros nacionais de países terceiros.

A única diferença recai sobre uma referência ao “Artigo 50” e uma indicação sobre o sistema sob o qual foi emitido, já que cada país da UE pode decidir se aplicará, por exemplo, um sistema de registo obrigatório, ou se irá declarar automaticamente todos os cidadãos do Reino Unido elegíveis como residentes.

A UE e o Reino Unido iniciaram esta segunda-feira, em Bruxelas, a primeira ronda de negociações sobre a parceria futura, cerca de nove meses antes do final do período de transição. As rondas serão realizadas alternadamente em Bruxelas e no Reino Unido.

Boris Johnson recusa prolongar além de 31 de dezembro de 2020 o período de transição, pelo que o acordo sobre as relações futuras terá de ser impreterivelmente concluído nos próximos meses. Na passada quinta-feira, a Comissão Europeia já garantiu que está a preparar-se para um cenário de “no deal”.

Um dos principais pontos é a exigência da UE de respeito pelas regras e leis europeias no pós-Brexit. O Parlamento Europeu defende um “alinhamento dinâmico” como condição a um nível de acesso sem contingentes e isento de direitos aduaneiros ao mercado único.

No entanto, o Governo britânico rejeita claramente o alinhamento com normas europeias e reivindica um “relacionamento baseado na cooperação amigável entre iguais soberanos” que projeta a autonomia jurídica do país. A UE tem advertido Londres que só é possível concluir um acordo se ficar garantida total reciprocidade.

Uma das possibilidades é firmar um acordo ao estilo daquele celebrado com o Canadá, que eliminou a maioria das tarifas aduaneiras sobre os bens comercializados entre a UE e Canadá, mas manteve as tarifas em alguns produtos. Também aliviou os níveis, mas manteve quotas, ou seja, o volume que um produto pode ser exportado sem tarifas.

O acordo não removeu totalmente os controlos nas fronteiras, mas a cooperação em termos de normas permite que as certificações de segurança e qualidade a um produto ou equipamento fabricado no Canadá sejam reconhecidas na UE, o que é recíproco.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Britânicos a viver na União Europeia terão documento comum de residência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião