Covid-19: Bruxelas pede aos países da UE que avaliem impactos económicos

  • Lusa
  • 28 Fevereiro 2020

A Comissão Europeia solicitou aos Estados-membros da União Europeia que avaliem os impactos económicos do coronavírus, com o objetivo de "coordenar uma análise em toda a UE".

A Comissão Europeia solicitou esta sexta-feira aos Estados-membros da União Europeia (UE) que avaliem os impactos económicos do novo coronavírus, visando coordenar uma análise destas consequências na indústria e empresas do espaço comunitário.

Em comunicado, o executivo comunitário informa que o comissário europeu da Indústria, Thierry Breton, “solicitou aos Estados-membros que enviem [à Comissão] dados agregados sobre o impacto nas cadeias de abastecimento”. O objetivo é “coordenar uma análise em toda a UE dos efeitos do surto na indústria e nas empresas europeias”.

Já na quinta-feira, o comissário europeu da Indústria, Thierry Breton, anunciou que Bruxelas já estava a preparar, caso se torne necessário, “medidas de apoio” aos setores económicos enfraquecidos pelo coronavírus Covid-19, mas não especificou as possíveis ajudas. De acordo com o responsável, muitos setores estão a ser afetados pela epidemia, desde logo o turismo, porque “os chineses não vêm para a Europa há dois meses”.

Segundo Thierry Breton, 250 mil turistas chineses não viajaram para UE entre janeiro e fevereiro, o que representou uma redução de dois milhões de dormidas, afetando também as transportadoras aéreas europeias. A estes acrescem setores com redes de produtos ligadas à China, como “automóveis, saúde, aparelhos eletrónicos, madeira ou brinquedos”. “E este é apenas o começo”, comentou o responsável.

Frisando ser ainda “muito cedo para medir o impacto exato”, Thierry Breton considerou ser “a altura” de haver coordenação dos países da UE no que toca à partilha de informações e de medidas. Os ministros da Economia da Europa, reunidos na quinta-feira em Bruxelas, agendaram novo encontro para daqui a um mês com o objetivo de fazer um balanço. Thierry Breton admitiu, porém, a convocação de um conselho formal extraordinário apenas dedicado exclusivamente aos impactos do Covid-19.

Uma atualização feita esta sexta-feira pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) refere que já existem 815 casos do novo coronavírus (Covid-19) na Europa. Entre estes, já se registaram 19 mortes, 17 das quais em Itália e duas em França. Até ao momento, verificaram-se casos em Itália (650), Alemanha (47), França (38), Espanha (25), Reino Unido (16), Suíça (oito), Suécia (sete), Áustria (cinco), Noruega (quatro), Croácia (três), Grécia (três), Finlândia (dois), Bélgica (um), Dinamarca (um), Roménia (um), Estónia (um), São Marinho (um), Holanda (um) e Lituânia (um).

A nível mundial, o Covid-19, detetado em dezembro na China e que pode causar infeções respiratórias como pneumonia, provocou pelo menos 2.858 mortos e infetou mais de 83 mil pessoas, de acordo com dados reportados por meia centena de países e territórios. Das pessoas infetadas, mais de 36 mil recuperaram. Também hoje, a Comissão Europeia anunciou a “aquisição conjunta de equipamentos de proteção” para os Estados-membros minimizarem a propagação do novo coronavírus.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Bruxelas pede aos países da UE que avaliem impactos económicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião