Surto de coronavírus reduz exportações mundiais em 50 mil milhões de dólares

  • Lusa
  • 4 Março 2020

Entre os mais prejudicados pelo Covid-19 com a perda de exportações está a União Europeia, onde se calcula que a redução tenha sido de 15.000 milhões de dólares em fevereiro.

O surto de Covid-19 reduziu as exportações mundiais em 50 mil milhões de dólares em fevereiro, segundo uma análise publicada esta quarta-feira pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

A China, onde o novo vírus surgiu em dezembro, viveu semanas de semiparalisia após a propagação do surto em janeiro, o que levou ao encerramento de fábricas e a restrições no movimento de pessoas para conter a expansão da epidemia de Wuhan, na província de Hubei, para o resto do país.

O resultado dessas medidas foi uma queda de 2% na produção da China, principalmente em componentes destinadas à elaboração de automóveis, telemóveis e equipamentos médicos, entre outros, segundo estimativas do organismo.

O país é responsável por 20% da produção e comércio global de produtos intermédios, o que faz dele um ator indispensável na cadeia mundial de produção, afirmou a diretora de Comércio Internacional da UNCTAD, Pamela Coke-Hamilton.

Entre os mais prejudicados com a perda de exportações está a União Europeia (UE), onde se calcula que a redução tenha sido de 15.000 milhões de dólares no mês passado, e as indústrias mais afetadas foram a de maquinaria, o setor automóvel, a de química e de instrumentos de precisão.

O Japão e os Estados Unidos perderam em vendas no exterior cerca de 5.200 milhões e 5.800 milhões de dólares, respetivamente. Após o que parece ter sido o pico da epidemia de coronavírus na China e uma diminuição nos últimos dias, o setor industrial está a regressar progressivamente à normalidade e muitas fábricas começam a produzir de novo.

A China contabilizou esta quarta-feira mais 38 mortos devido ao surto do Covid-19, fixando o número total de vítimas mortais em 2.981, ao mesmo tempo que detetou 119 novos casos de infeção.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Surto de coronavírus reduz exportações mundiais em 50 mil milhões de dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião