Seguradora Ping An põe tecnologia própria a combater Covid-19

  • ECO Seguros
  • 5 Março 2020

A maior seguradora da China está na linha da frente do combate ao vírus, disponibilizando recursos internos de inteligência artificial para acelerar o tempo de diagnóstico e tratamento da epidemia.

A Ping An Insurance Company of China (Ping An) colocou ao serviço dos médicos um sistema inteligente de leitura de imagens que torna mais eficiente e preciso o processo de diagnóstico de infeção pelo novo coronavírus (nCov19) no país que se considera ser a origem a epidemia global.

A Covid-19 é uma doença nova. As instituições médicas, especialmente a nível primário na China, não têm experiência de diagnóstico e dependem, em grande parte, de métodos que envolvem demora no processo de deteção e uma elevada proporção de casos falsos negativos.

A tomografia computorizada (vulgo Tac) tem sido um meio usado pelos médicos para diagnóstico da infeção pelo nCov19. Mas, no caso da epidemia atual, a abordagem tem sido limitada pela falta de radiologistas que revejam o elevado volume de imagens da Tacs que efetuadas.

Recorrendo a modelos de inteligência artificial (IA), o sistema da Ping An tem a vantagem de suprir essa insuficiência, realizando com elevada rapidez análises comparativas de múltiplas imagens de tomografia computadorizada do mesmo paciente e medindo as alterações nas lesões. Por outro lado, acelerando o processo de diagnóstico e tratamento, a China pode obter vantagem no esforço de contenção da epidemia.

A solução foi desenvolvida pela Ping An Smart Healthcare, um ramo da subsidiária Ping An Smart City, em parceria com instituições académicas e científicas e organizações de saúde da China, para utilização em diagnósticos de diversas especialidades clínicas e hospitalares. Agora, o invento ajuda no esforço de controlo da epidemia através de diagnósticos e tratamentos mais céleres.

“Desde o seu lançamento, o sistema de leitura inteligente de imagens tem prestado serviços a mais de 1.500 instituições médicas”, disse Geoff Kau, co-presidente e diretor de estratégia da Ping An Smart City.

Xiao Jing, cientista chefe da Ping An, reforça: “Os pacientes com COVID-19 precisam de numerosas tomografias durante o tratamento. A comparação de múltiplas imagens é uma tarefa demorada e não pode ser completada manualmente com precisão. O sistema inteligente de leitura de imagem COVID-19 da Ping An Smart Healthcare pode efetivamente melhorar a precisão do diagnóstico e a eficiência da leitura de imagem do médico”.

“Mais de 5.000 pacientes já receberam serviços de leitura de imagens inteligentes gratuitamente. O sistema pode gerar resultados de análises inteligentes em cerca de 15 segundos, com uma taxa de precisão acima de 90%”, explicou Kau.

De acordo com números astronómicos divulgados na penúltima semana de fevereiro, o Ping An Insurance Group encerrou o exercício de 2019 com um resultado líquido atribuível de 149,4 mil milhões de yuans (RMB), ou cerca de 19,26 mil milhões de euros, totalizando 795,07 mil milhões de yuan (cerca de 102,5 mil milhões de euros) em prémios brutos emitidos (+10,5% face ao ano anterior).

Na altura, a companhia chinesa que está entre as maiores do setor em termos de capitalização bolsista (com um valor a rondar 188 mil milhões de euros, precedida apenas pela Berkshire Hathaway) adiantou que o Covid-19 causará algum impacto ao nível operacional e na economia em geral, podendo afetar – “em certa medida” – a qualidade ou os rendimentos de ativos de crédito e de investimento do conglomerado chinês.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguradora Ping An põe tecnologia própria a combater Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião