Advogado de Armando Vara fala em batota na distribuição do inquérito

  • Lusa
  • 8 Março 2020

Advogado do ex-ministro criticou alusões ao caso Face Oculta, em que o socialista foi condenado, insinuando que na acusação da Operação Marquês se misturaram realidades jurídicas distintas.

O advogado do ex-ministro Armando Vara alegou na sexta-feira que a acusação de corrupção “não tem ponta por onde se lhe pegue” e que “houve batota” na distribuição do inquérito da Operação Marquês ao juiz Carlos Alexandre, em 2014.

O advogado Tiago Rodrigues Bastos alegava no debate instrutório do processo no qual o antigo ministro e administrador da Caixa Geral de Depósitos é acusado neste processo de um crime de corrupção passiva de titular de cargo político, dois de branqueamento de capitais e outros dois de fraude fiscal qualificada.

O defensor de Armando Vara começou por criticar as alusões que os procuradores da Operação Marquês fizeram relativamente ao caso Face Oculta, em que o antigo ministro socialista foi condenado, insinuando que na presente acusação se misturaram realidades jurídicas distintas (Face Oculta/Operação Marquês), ocorridas em diferentes momentos.

Observou a propósito que o magistrado Filipe Preces, um dos investigadores deste processo, foi “o arquiteto do caso Face Oculta”, tendo posteriormente sido responsável por alguns segmentos dos autos agora em debate instrutório.

Referiu ainda que o caso Face Oculta, à semelhança deste processo, levantou também muitas dúvidas em relação à forma como o processo foi distribuído e foi calhar a Aveiro, em vez de ser em Lisboa.

Tiago Bastos apelou ao juiz Ivo Rosa que não deixe passar em claro as irregularidades que, em seu entender, ocorrem na distribuição da investigação ao juiz Carlos Alexandre (setembro de 2014), dizendo: “Peço que não se torne inócuo o que se passou na distribuição do processo”.

Aludindo aos recentes casos de suspeitas de viciação em sorteios de distribuição de processos e considerando que o sistema de justiça está “absolutamente caótico”, o advogado de Armando Vara apelou ao juiz para que “não deixe passar incólume esse ato da maior gravidade”, que foi a distribuição do inquérito, assunto que abordou no requerimento de abertura de instrução.

Tiago Bastos rebateu também a tese da acusação, que, nas suas palavras, foi construída no pressuposto de que Vara e outros arguidos são “comparticipantes de José Sócrates” nos atos corruptivos imputados ao ex-primeiro-ministro.

Considerou ainda “absolutamente inaceitável” o crime de corrupção imputado aos arguidos e tentou desmontar a tese de que foi Sócrates que usou da sua influência política para meter Armando Vara na direção da CGD para, a partir daí, obterem ambos vantagens através de atos ilícitos.

Rebateu igualmente o crime de branqueamento de capitais, criticando a tese expressada na véspera pelo procurador Rosário Teixeira que o branqueamento pode ocorrer mesmo antes da obtenção da respetiva vantagem.

A finalizar, o advogado sintetizou a sua própria intervenção, declarando que o crime de corrupção “não tem ponta por onde se pegue” e que “houve batota” na distribuição do inquérito da Operação Marquês, devendo tal vício ser “expurgado” nesta fase de instrução.

Armando Vara, que está detido no âmbito do Face Oculta, é um dos 28 arguidos deste caso – 19 pessoas e nove empresas – que globalmente o Ministério Público acusou de 188 crimes económico-financeiros na Operação Marquês.

O Ministério Público alega que os arguidos devem ir a julgamento para cabal esclarecimento dos factos investigados e para que “não seja criada uma rotura por parte do cidadão em relação ao próprio sistema de justiça”.

 

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Advogado de Armando Vara fala em batota na distribuição do inquérito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião