Ana Gomes: “Faz sentido que o Governo tome posição política” na venda das participações de Isabel dos Santos

  • ECO
  • 8 Março 2020

Ana Gomes insta António Costa a trabalhar com as autoridades judiciais para travar transferências da venda dos ativos do Eurobic ou da Efacec para a empresária envolvida no caso Luanda Leaks.

A empresária angolana Isabel dos Santos está a vender parte das participações que detém em Portugal e o primeiro-ministro António Costa garante que o Governo não pode fazer nada para impedir que o resultado dessas alienações é salvaguardado. Ana Gomes diz, numa entrevista conjunta à TSF e ao DN (acesso livre), não compreender a posição e defende que o Executivo deve tomar uma “posição política”.

“Tenho dificuldade em compreender essa posição da parte do primeiro-ministro. É evidente que Portugal, o governo português, tem obrigação de tomar uma posição pública no sentido de dizer: não, não nos passa pela cabeça que as autoridades competentes, que são certamente as autoridades judiciais nesta fase, não atuarão por todos os meios para impedir que o produto dos esquemas criminosos — branqueamento, corrupção, saque organizado aos recursos de Angola, etc. — vão continuar a beneficiar o criminoso ou a criminosa e os seus cúmplices”, diz a ex-eurodeputada, à TSF e ao DN.

Perante o receio de que o dinheiro da venda do EuroBic aos espanhóis do Abanca seja transferido para a empresária angolana ou para um paraíso fiscal, António Costa quer que o Banco de Portugal intervenha, mas o governador Carlos Costa disse que essa é uma “matéria das autoridades judiciais”. Lembrando que há leis e diretivas europeias sobre o regime de recuperação de ativos, Ana Gomes insta o primeiro-ministro a atuar. “Faz sentido que as autoridades governamentais tomem posição política no sentido de respaldar uma intervenção das autoridades judiciais“, acrescentou.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ana Gomes: “Faz sentido que o Governo tome posição política” na venda das participações de Isabel dos Santos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião