Carris vai ter carreira 100% elétrica entre Marquês de Pombal e Baixa Chiado. Cada km custará 5 vezes menos face ao diesel

Novo percurso da Carris terá início antes da limitação da circulação rodoviária na Avenida da Liberdade, Baixa e Chiado. A carreira 706 já tem ao serviço 11 veículos 100% elétricos.

Apesar das críticas que chovem de todos os quadrantes, o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, continua firme na intenção de tirar os carros da Avenida da Liberdade e da Baixa de Lisboa e criar uma nova Zona de Emissões Reduzidas (ZER) na cidade. Para isso, a Carris, enquanto empresa de transportes públicos detida pela autarquia, vai estrear em breve uma segunda carreira 100% elétrica que vai circular entre a zona do Marquês de Pombal e a Baixa Chiado.

O anúncio foi feito esta quarta-feira pelo próprio Medina na cerimónia de lançamento da primeira carreira da Carris com autocarros elétricos. A escolhida para esta estreia foi a 706 (Cais Sodré – Santa Apolónia), que a partir de agora terá ao serviço, em exclusivo, 11 dos 15 autocarros elétricos que a Carris já comprou à CaetanoBus, num investimento total de 7,5 milhões de euros (com o apoio do POSEUR) que engloba também toda a infraestrutura de carregamento instalada na central da Pontinha.

Em breve, os restantes quatro novos autocarros elétricos da Carris serão afetados ao novo circuito urbano Marquês de Pombal – Baixa Chiado, que não se inclui no entanto no lote de carreiras de bairro criadas pela Carris. Este novo percurso da Carris poderá começar a rolar antes mesmo da limitação da circulação rodoviária de parte da Avenida da Liberdade, Baixa e Chiado a residentes e transportes públicos, já a partir de junho, das 06h30 às 00h00.

Contas feitas por Medina e pela Carris, cada um destes novos autocarros elétricos custa, em média, 25 euros por dia para circular 180 km pelas ruas de Lisboa, isto tendo em conta um total de 200 KWh a custar 11/12 cêntimos por KWh. Comparando com um autocarro a gasóleo, e olhando apenas para os custos operacionais, de circulação, trata-se de um valor por quilómetro cerca cinco vezes inferior, para percorrer a mesma distância. Isto porque o mesmo veículo a diesel gasta num dia 93 litros de combustível (55 litros ao 100km/h, 180 km por dia), o que dá uma fatura de mais de 120 euros de gasóleo.

Apesar do menor gasto em combustível, os autocarros elétricos custam mais do dobro (500 mil euros ou mais) dos que os a diesel (cerca de 200 mil euros) e ocupam mais 20% de espaço nos terminais da Carris. Quanto às baterias dos autocarros, têm uma vida média de 5 a 7 anos, estando já previsto no contrato inicial a sua substituição ao fim desse tempo.

Este ano a Carris vai ainda lançar um novo concurso para comprar mais 30 autocarros elétricos e ainda outros 70 a gás natural, tendo em vista alargar a frota para cerca de 700 veículos. A próxima aposta, garante a Carris, poderá passar pelo hidrogénio, com a empresa “aberta a testar e experimentar” esta nova tecnologia que a CaetanoBus já tem em testes e se prepara para exportar para a Alemanha. Quando a Carris passou para as mãos da Câmara de Lisboa detinha apenas 600 veículos, muitos deles já em fim de vida.

Lançamento da primeira carreira da CARRIS com autocarros elétricos - 11MAR20

Com os 16 postos de carregamento normal de 50KWh novinhos em folha, da Siemens, já instalados no terminal da Pontinha, neste momento toda a eletricidade comprada pela Carris para a mobilidade elétrica (tanto autocarros como elétricos) é fornecida pela elétrica espanhola Endesa, revelou fonte da empresa municipal de transportes públicos.

De acordo com a empresa, cada autocarro elétrico da frota municipal demora neste momento, em média, quatro a cinco horas a carregar a totalidade de cada bateria com uma capacidade de 285 KW. Por norma o carregamento é feito de noite, para apanhar as tarifas mais reduzidas (vazio e super vazio). A autonomia é de 180 a 220 km, o que equivale a um mínimo de 10 viagens de ida e volta da carreira 706.

Na visão do presidente do Conselho de Administração da Carris, Tiago Farias, a carreira 706 é um “case study excelente para testar a mobilidade elétrica nos autocarros urbanos”, por se tratar de um percurso com 18km, ida e volta, com muitas subidas e descidas, e passagem por várias áreas residenciais

“Os elétricos que são autocarros”

Este foi o mote da viagem inaugural do primeiro autocarro 100% elétrico, que teve lugar esta quarta-feira entre o terminal da Pontinha e o Cais do Sodré, com vários passageiros “especiais” a bordo, a começar por Fernando Medina, acompanhado pelo presidente do Conselho de Administração da Carris, Tiago Farias, e pelo CEO da CaetanoBus, Jorge Pinto.

“É um momento irreversível em que a Carris se eletrifica, até acabar de vez com os autocarros movidos a combustíveis fósseis. Em 2019 foram colocados mais de dois milhões de quilómetros adicionais ao serviço da cidade de Lisboa, o que permitiu inaugurar mais de 10 carreiras, alargar percursos, reforçar horários. E com isso o número de passageiros aumentou em 10 milhões, para os 140 milhões na rede. Começámos nos últimos dois anos um processo de requalificar, renovar e ampliar a nossa frota. Já estão concursados 250 novos autocarros, dos quais 15 são os elétricos das novas carreiras. Neste momento temos a decorrer a compra de mais 100 este ano, dos quais 70 a gás natural e mais 30 elétricos. Quando a Carris passou para as mãos da CML eram apenas 600 autocarros”, frisou o presidente do Conselho de Administração da Carris.

E acrescentou: “O caminho da descarbonização e eletrificação é incontornável. Temos hoje mais frota e uma frota mais limpa”.

Com emissões zero e uma pegada carbónica muito mais sustentável do que uma frota convencional a gasóleo, por cada quilómetro percorrido num autocarro elétrico a Carris poupa 1,5 kg de emissões de CO2. “Sabendo que uma carreira como a 706 faz meio milhão de kms por ano, podemos ter uma noção do impacto cada vez que introduzimos mais um autocarro elétrico”, frisou ainda Tiago Farias.

Lançamento da primeira carreira da CARRIS com autocarros elétricos - 11MAR20
Tiago Farias, presidente do Conselho de Administração da CarrisHugo Amaral/ECO

Já Medina garantiu que os utilizarem vão sentir uma enorme diferença, tendo em conta a quase ausência de ruído destes autocarros, uma realidade que pôde ser comprovada por todos na viagem inaugural.

Esta mudança, de um sistema assente no carbono e nos combustíveis fósseis, para um sistema elétrico, é essencial. Conseguimos com a CaetanoBus fazer este casamento tão feliz. E ainda por cima com uma empresa nacional. Foi uma alegria quando a CaetanoBus ganhou o concurso público internacional, que teve a participação de várias empresas estrangeiras. É positivo que estejamos a dar este passo com uma empresa nacional, com vista ao desenvolvimento da indústria nacional. Lisboa está também a contribuir para que a CaetanoBus seja cada vez mais eficiente na produção destes autocarros”, reforçou o presidente da Câmara Municipal.

E atirou ao CEO da CaetanoBus: “Esperemos que possam ser mais baratos para daqui a algum tempo comprarmos mais”.

“É o primeiro passo na passagem de uma frota que ainda tem autocarros a combustíveis fósseis, para uma frota elétrica, dado em parceria com empresas portuguesas. É o primeiro passo de vários que se vão seguir até termos uma frota 100% sem emissões”, rematou Medina. A Carris ambiciona chegar a 2035 com uma frota livre de qualquer veículo a diesel.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Carris vai ter carreira 100% elétrica entre Marquês de Pombal e Baixa Chiado. Cada km custará 5 vezes menos face ao diesel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião