Comércio com “muitas dificuldades de financiamento” na banca face ao coronavírus

João Vieira Lopes considera que a banca tem a "obrigação" de "facilitar a vida às empresas" face a este surto de coronavírus, mas revela que as empresas estão já com "dificuldades de financiamento".

Face à propagação do coronavírus em Portugal, as empresas estão já a sentir “muitas dificuldades” de financiamento da sua tesouraria corrente junto da banca, avisou o líder da Confederação do Comércio e Serviços (CCP), João Vieira Lopes, à saída da reunião desta quarta-feira com o Governo, na Concertação Social.

“Falamos com a banca. A banca diz que está aberta a facilitar a vida a toda a gente. O que é que sucede? Na prática, isto não está a acontecer. Estamos a encontrar muitas dificuldades de financiamento das empresas para a sua tesouraria corrente“, afirmou o presidente da CCP, em declarações aos jornalistas.

João Vieira Lopes defendeu que a banca — uma vez que tem sido “bastante ajudada por todos os setores da economia” — tem neste momento a “obrigação” de facilitar “a vida às empresas”. “Independentemente das linhas de crédito do Governo, pensamos que a banca — que tem sido bastante ajudada por todos os setores da economia — tem a obrigação neste momento de facilitar a vida às empresas”, frisou.

Na segunda-feira, o Governo anunciou aos parceiros sociais uma linha de crédito de 200 milhões para as micro, pequenas e médias para as empresas que tenham registado uma quebra de, pelo menos, 20% da sua faturação, em termos homólogos, face à propagação do coronavírus. Esse apoio ficará disponível a partir do próximo dia 12.

Nessa mesma reunião, João Vieira Lopes aproveitou para defender a suspensão das penhoras que estão a ser levada a cabo atualmente pela Autoridade Tributária e dos despejos. Esta quarta-feira, o presidente da CCP adiantou que o Governo mostrou mesmo “abertura” a tal medida, ainda que não se tenham avançado nesse sentido, por enquanto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comércio com “muitas dificuldades de financiamento” na banca face ao coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião