Portugal paga mais para emitir dívida a cinco e dez anos. Juro sobe com tensão nas bolsas

A agência que gere a dívida pública portuguesa foi ao mercado numa altura de forte volatilidade. Colocou 1.181 milhões de euros em obrigações do Tesouro.

Portugal emitiu 1.181 milhões de euros em obrigações do Tesouro (OT) a cinco e dez anos. Numa altura de forte volatilidade nos mercados financeiros, a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP emitiu dívida de médio prazo com taxas de juros mais altas e não atingiu o total máximo indicativo.

No caso da dívida a dez anos, a agência liderada por Cristina Casalinho emitiu 500 milhões, a uma taxa de juro de 0,426%. O valor compara com a taxa de 0,333% paga a 13 de novembro do ano passado, no último leilão de títulos com esta maturidade. Depois disso, Portugal fez uma venda sindicada de OT a dez anos, com um juro em 2%.

Já a dívida a cinco anos, o IGCP colocou 681 milhões, tendo pago uma taxa de juro de 0,059%. Neste prazo, Portugal tinha-se mesmo chegado a financiar com juros negativos, sendo que no último leilão comparável (a seis anos, em fevereiro), a taxa tinha-se situado em -0,057%. A subida do juro está relacionada com o momento de tensão que se vive nos mercados financeiros.

Esta ténue subida nas yields está diretamente ligada ao impacto que o Covid-19 tem tido nos mercados globalmente. A incerteza e o medo vieram abalar de uma forma generalizada a confiança dos investidores e colocar em causa a recuperação económica que os países estavam a ter. O alastrar do vírus da China para outros países estava de certa forma menosprezada pelo mercado, mas quando essa perceção mudou, muitos investidores optaram por desinvestir ou realocar o risco que têm nas suas carteiras”, explica Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa.

Com o surto de coronavírus a ameaçar a economia global e os principais produtores de petróleo em conflito, as bolsas têm afundado há várias sessões, a volatilidade disparou e os investidores têm recorrido a refúgios como a dívida da Alemanha e dos EUA. “Se por um lado os países core assistem a mínimos históricos nas suas taxas de longo prazo, com o Bund a fazer um mínimo de -0,90% e os EUA 0,3% já os países da periferia assistiram a um alargar do seu spread, com as taxas a subirem”, refere.

Neste cenário de tensão, o apetite por por títulos de dívida portuguesa arrefeceu. No prazo mais longo, a procura superou a oferta em 1,53 vezes (contra 1,63 vezes no último leilão comparável) e, na maturidade mais curta, ficou foi 1,63 vezes maior (em comparação com 2,43 vezes na última colocação).

Apesar do cenário atual, Filipe Silva considera que as medidas em curso para travar o impacto do vírus deverão apoiar os baixos juros. “Os bancos centrais e governos têm estado a anunciar estímulos monetários e fiscais para ajudar ao abrandamento que iremos ter. Para Portugal e apesar da subida que tivemos, ainda estamos a emitir dívida com taxas historicamente baixas. Se a perceção de risco para a nossa economia não mudar drasticamente, esta deverá ser a tendência para os próximos tempos”, acrescenta o diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa.

(Notícia atualizada às 11h20)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal paga mais para emitir dívida a cinco e dez anos. Juro sobe com tensão nas bolsas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião