Covid-19: Universidade de Évora sem aulas presenciais a partir de segunda-feira

  • Lusa
  • 12 Março 2020

As aulas presenciais na Universidade de Évora são suspensas, a partir de segunda-feira, e "substituídas por ensino à distância”, devido à propagação da pandemia da doença Covid-19.

As aulas presenciais na Universidade de Évora são suspensas, a partir de segunda-feira, e “substituídas por ensino à distância”, devido à propagação da pandemia da doença Covid-19, revelou esta quinta-feira a academia alentejana.

Num comunicado dirigido hoje à academia e enviado à agência Lusa, a reitoria da Universidade de Évora determinou que as aulas suspensas que não possam ser substituídas por ensino à distância “serão repostas assim que a situação normalizar, podendo eventualmente vir a ser alterado o calendário escolar”.

Nesta mesma informação, a reitoria apelou “à comunidade académica para que mantenha o civismo, bem como a observância das medidas de contenção amplamente divulgadas pelas autoridades de saúde, mantendo a distância social”.

“A autoridade de saúde local considera não haver critérios epidemiológicos que justifiquem encerramento das instalações”, acrescentou a reitoria.

Segundo a Universidade de Évora, atendendo ao “alarme social” e à “instabilidade que se vive atualmente”, além da suspensão das aulas presenciais, foram tomadas outras medidas, como “a suspensão de todos os estágios” e “de reuniões de júri ou concursos públicos presenciais” no espaço da universidade.

“Nenhuma deslocação em serviço será autorizada e as que já estão autorizadas são suspensas, incluindo as deslocações para júris de provas ou concursos públicos”, acrescentou.

No âmbito do plano de contingência implementado para fazer face à doença Covid-19, a Universidade de Évora já tinha decidido, anteriormente, outras medidas preventivas.

A 9 de março, a Universidade de Évora anunciou o adiamento de todos os eventos marcados para os espaços da universidade, até dia 22 deste mês, assim como o cancelamento, até dia 30, das visitas turísticas ao Colégio do Espírito Santo e ao Centro Interativo de Arqueologia, no Palácio do Vimioso.

No comunicado de hoje, é referido que se mantêm “todas as decisões já tomadas anteriormente no que diz respeito a eventos culturais, atividades desportivas e visitas aos edifícios”.

Estão “abertas todas as residências universitárias, bem como as cantinas, com o serviço de take away a funcionar”, disse a Universidade de Évora, referindo que “estas medidas mantêm-se em vigor até decisão contrária”.

“A gestão de uma crise desta natureza requer responsabilidade, articulação constante com as autoridades competentes, de forma a evitar alarmismos e intervenções setoriais ou isoladas que, em termos de saúde pública, são frequentemente contraproducentes”, argumentou a Universidade de Évora.

A Universidade de Évora, a Administração Regional de Saúde do Alentejo e a Câmara de Évora divulgaram hoje também um comunicado conjunto em que lembram que o território alentejano “tem-se mantido sem indivíduos infetados” e apelam “à não discriminação das pessoas não portuguesas que visitam a cidade, nela vivem, estudam e permanecem temporariamente, para que se sintam em segurança e bem acolhidas como sempre”.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou, na quarta-feira, a doença Covid-19 como pandemia. A OMS justifica a declaração de pandemia com “níveis alarmantes de propagação e inação”.

A pandemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.500 mortos em todo o mundo.

O número de infetados ultrapassou as 124 mil pessoas, com casos registados em 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 78 pessoas infetadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Universidade de Évora sem aulas presenciais a partir de segunda-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião