Apple fecha todas as suas lojas fora da China até 27 de março

  • Lusa
  • 14 Março 2020

"À medida que a epidemia progride fora da China, estamos a tomar novas medidas para proteger as nossas equipas e os nossos clientes", anunciou o Tim Cook, CEO da Apple.

A Apple vai fechar todas as suas lojas fora da China até 27 de março para tentar conter a disseminação do novo coronavírus, anunciou o presidente da empresa, Tim Cook.

A empresa fabricante de computadores e smartphones seguiu o exemplo da China e adotou as suas medidas de contenção, disse Tim Cook em comunicado divulgado sexta-feira à noite nos EUA.

“A maneira mais eficaz de minimizar o risco de transmissão do vírus é reduzir a densidade (populacional) e maximizar o distanciamento social”, afirmou.

À medida que a epidemia progride fora da China, estamos a tomar novas medidas para proteger as nossas equipas e os nossos clientes“, disse.

A loja online da Apple vai continuar a operar e os trabalhadores fora da China vão estar em comunicação sempre que possível.

A gigante dos computadores, que tem quase 500 lojas em 24 países, pretende também suavizar a sua política de licenças “para levar em conta as circunstâncias criadas pela [doença] Covid-19, nomeadamente no que diz respeito aos cuidados com familiares doentes, quarentenas e a guarda de crianças resultante do encerramento de escolas.

A Apple doou 15 milhões de dólares para ajudar a combater a pandemia, que já provocou a morte a mais de 5.500 pessoas e já infetou perto de 143 mil em todo o mundo.

As 42 lojas da Apple na China foram encerradas quando o país era um dos principais centros da epidemia de Covid-19 e foram reabrindo gradualmente nos últimos dias.

A gigante californiana emitiu um aviso de lucro em meados de fevereiro para alertar que não alcançaria as suas metas de vendas devido à epidemia de coronavírus que começou na China, onde se registam quase 3.200 mortes e mais de 80 mil infetados.

Os seus fornecedores na China também foram afetados pelas medidas de contenção e restrições de tráfego adotadas para conter a epidemia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apple fecha todas as suas lojas fora da China até 27 de março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião