Cinemas NOS encerram salas em todo o país

  • Lusa
  • 16 Março 2020

NOS Cinemas decidiu encerrar os 31 complexos de cinemas e as 219 salas em todo o país. A medida entra em vigor hoje e "será aplicada pelo tempo que se justificar", explica a NOS.

A NOS Cinemas, líder do mercado português da exibição, o Cinema Ideal, em Lisboa, e o Cinema Nimas, da Medeia Filmes, também na capital, estão encerrados por “motivos de saúde e segurança“, em resposta à pandemia de Covid-19.

“Face à situação da pandemia Covid-19, a NOS Cinemas decidiu encerrar os 31 complexos de cinemas e as 219 salas em todo o país”, lê-se no comunicado divulgado esta segunda-feira pela exibidora.

Os Cinemas NOS representam cerca de 40% do mercado português de exibição, de acordo com os números do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA).

“Apesar de já estarem em vigor medidas de prevenção que acautelavam a proteção de clientes e colaboradores como, por exemplo, a redução da capacidade das salas em 50% até um máximo de 150 pessoas por sala, a realização de sessões sem lugares marcados e o reforço da limpeza e higienização, a empresa decidiu que o cancelamento é a medida adequada numa fase em que é crítica a permanência em casa das pessoas e das famílias portuguesas“, prossegue o comunicado.

A medida entra em vigor esta segunda-feira, e “será aplicada pelo tempo que se justificar”, conclui a NOS Cinemas.

A exibidora Medeia Filmes anunciou igualmente o encerramento do Cinema Nimas, em Lisboa, desta segunda-feira a 15 de abril, e o Cinema Ideal, um dos primeiros a anunciar planos de contingência, na semana passada, manter-se-á encerrado até 02 de abril.

Na passada quinta-feira metade das 535 salas de cinema da rede de exibição comercial estava em funcionamento, com reforço de higienização e regras de distanciamento entre espetadores, como revelaram então à Lusa as maiores exibidoras portuguesas. Os Cinemas NOS representam cerca de 40% do mercado português de exibição.

O Cinema Trindade, no Porto, fechou as portas na semana passada, assim como o Cineclube de Viseu, que também cancelou todas as sessões até ao final de março, e o cineclube do Porto, que cancelou na altura “todas as atividades” para a Casa das Artes.

De acordo com os dados mais recentes do ICA, a rede portuguesa de exibição comercial de cinema integra 535 salas, com cerca de 99 mil lugares.

Segundo o ICA, a NOS Cinemas é a maior exibidora nacional, com 219 salas em todo o país, o que representa 40,9% do total de ecrãs. Seguem-se Cineplace (85 salas), NLC Cinema City (46 salas), UCI (45 salas) e Socorama (31 salas).

Na semana passada, as diferentes distribuidoras anunciaram planos de contingência, com restrições à venda de bilhetes e higienização das instalações, mantendo a avaliação da situação.

O novo coronavírus responsável pela pandemia de Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 6.400 mortos em todo o mundo.

O número de infetados ronda as 164 mil pessoas, com casos registados em pelo menos 141 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 245 casos confirmados. Do total de infetados, mais de 75 mil recuperaram.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, convocou o Conselho de Estado para quarta-feira para discutir a eventual decisão de decretar o estado de emergência, enquanto o primeiro-ministro, António Costa, anunciou que Portugal e Espanha vão, além de todas as outras medidas já adotadas, limitar a circulação na fronteira a mercadorias e trabalhadores transfronteiriços.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cinemas NOS encerram salas em todo o país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião