EMEL suspende cobrança de parquímetros. Empark dá avenças em Lisboa

O objetivo de ambas as empresas é ajudar os cidadãos numa altura em que o país está a ficar paralisado em resultado da pandemia de Covid-19.

A EMEL, empresa municipal de estacionamento de Lisboa, vai deixar de cobrar parquímetros durante a semana e todo o dia durante os fins de semana e feriados até ao próximo dia 9 de abril. Ao mesmo tempo, a Empark anuncia que os 1.500 residentes na capital portuguesa que têm avenças noturnas vigentes nos seus parques de estacionamento, e que apenas vigoravam das 18h às 9h durante a semana e todo o dia durante os fins de semana e feriados, passam a usufruir de estacionamento por 24 horas todos os dias da semana.

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou a suspensão do pagamento de todos parquímetros na cidade nas próximas semanas. A medida poderá ser prolongada ou cancelada consoante a evolução da pandemia, que já infetou mais de 300 pessoas em Portugal e que causou esta segunda-feira a primeira vítima mortal, refere um comunicado a que o Jornal de Negócios (acesso livre).

Em simultâneo, a Empark alargou as avenças noturnas nos seus parques de estacionamento. As avenças que funcionavam entre as as 18h00 e as 09h00 durante a semana passam a funcionar durante todo o dia, fins de semana e feriados. O objetivo é agilizar a mobilidade das pessoas numa fase de dificuldades de circulação.

“Há famílias e trabalhadores em quarentena voluntária que preferem sempre recorrer ao uso do seu próprio transporte e evitar riscos de contágio. Entendemos que esta medida é muito positiva no sentido de facilitar a vida dos residentes de Lisboa que se encontram nesta fase a trabalhar desde casa”, disse Paulo Nabais, diretor geral da Empark Portugal, em comunicado. Acrescentou que a empresa está a considerar outras medidas.

Os dois anúncios, feitos esta segunda-feira, juntam-se a outro semelhante feito pelo presidente da Câmara Municipal do Porto, na semana passada. Rui Moreira já tinha anunciado o fim das tarifas de estacionamento à superfície, onde a Eporto, empresa participada da Empark, é responsável pela sua gestão e fiscalização.

(Notícia atualizada às 17h08)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EMEL suspende cobrança de parquímetros. Empark dá avenças em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião