FMI vai disponibilizar 1 bilião de dólares para combater o Covid-19

Kristalina Georgieva está disponível para mobilizar um 1 bilião de dólares para apoiar os países a combaterem a pandemia.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prepara-se para mobilizar um bilião de dólares, por forma a ajudar os países a combater a epidemia do Covid-29, avança a Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

À medida que o vírus se espalha, o cenário para um estímulo global fiscal coordenado e sincronizado está a tornar-se cada vez mais forte”, aponta a diretora-geral do FMI, citada pela Bloomberg, acrescentando que, por isso, o FMI “está pronto a mobilizar a sua capacidade de crédito em 1 bilião de dólares” para ajudar os países.

A instituição liderada por Kristalina Georgieva diz que está pronta a agir rapidamente no sentido de travar os impactos económicos provocados pela pandemia, sublinhando que tem um fundo de emergência no valor de 50 mil milhões de dólares para apoiar países em desenvolvimento.

O FMI tem já 40 acordos de empréstimos em andamento com compromissos avaliados em 200 mil milhões de dólares, anunciou a diretora-geral, acrescentando que há cerca de 20 países interessados no apoio.

Ao mesmo tempo, o Fundo de Contenção e Alívio de Catástrofes possui cerca de 400 milhões de dólares para ajudar os países mais pobres no alívio da dívida. Com as recentes doações, como a de 195 milhões dólares por parte do Reino Unido, o FMI espera aumentar a respetiva capacidade de crédito no valor de 1 bilião de dólares (899 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual).

A diretora-geral do FMI elogiou ainda a ação concertada pelos bancos centrais mo domingo, incluindo o Banco Central Europeu (BCE), que visa amparar o dólar perante a disrupção que está a ser provocada pela pandemia do coronavírus. Além disso, a Reserva Federal norte-americana anunciou o segundo corte surpresa nos juros, desta vez para um patamar próximo do zero.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI vai disponibilizar 1 bilião de dólares para combater o Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião