Transportadora SAS suspende maioria dos voos e dez mil postos de trabalho

  • Lusa
  • 16 Março 2020

A companhia aérea SAS, cujos principais acionistas são os Estados sueco e dinamarquês, vai suspender temporariamente a maioria dos seus voos e dez mil postos de trabalho.

A transportadora aérea Scandinavian Airlines Systems (SAS) vai suspender temporariamente, a partir desta segunda-feira, a maioria dos voos e dez mil funcionários, ou 90% do pessoal, devido à crise causada pelo coronavírus.

Em comunicado, divulgado no domingo, a SAS referiu que várias medidas restritivas tomadas por muitos Governos, como o encerramento de fronteiras, tornaram a procura internacional de viagens aéreas “praticamente inexistente”.

A empresa indicou que só vai retomar o tráfego normal quando “existirem condições” para a aviação comercial.

A transportadora, cujos principais acionistas são os Estados sueco e dinamarquês, vai manter “na medida do possível” algumas ligações para permitir voos de regresso a partir de diferentes destinos e estará à disposição das autoridades para repatriar cidadãos ou manter infraestruturas importantes para a sociedade.

“Creio que os políticos estão conscientes da importância de manter boas ligações. Espero e acredito que se trabalha de forma intensiva para apoiar a aviação. Espero ver propostas concretas a curto prazo”, disse o conselheiro delegado da SAS Rickard Gustafson, em conferência de imprensa, em Estocolmo.

A SAS, que no primeiro trimestre do ano fiscal (novembro-janeiro) perdeu 861 milhões de coroas suecas (81 milhões de euros) líquidos, transporta cerca de 30 milhões de passageiros por ano e liga Estocolmo, Copenhaga e Oslo a 125 destinos na Europa, Estados Unidos e Ásia.

O novo coronavírus responsável pela pandemia de Covid-19 já provocou mais de 6.500 mortos em todo o mundo. O número de infetados ronda as 170 mil pessoas, com casos registados em pelo menos 148 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 245 casos confirmados. Do total de infetados, mais de 77 mil recuperaram

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Transportadora SAS suspende maioria dos voos e dez mil postos de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião