Há 8 portugueses na Forbes 30 under 30. Só 3 vivem em Portugal

"Finanças", "indústria e manufatura", "ciência e cuidados de saúde" e "desporto e jogos": há oito portugueses na lista dos jovens sub-30 mais prometedores da Forbes para 2020.

É o maior número de sempre de representação portuguesa na lista 30 under 30 da Forbes. Na edição europeia do ranking da revista que distingue os jovens mais prometedores do continente com menos de 30 anos, revelada esta terça-feira, existem oito nomes portugueses destacados. No entanto, apenas três — Simão Cruz, Bruno Azevedo e Rodrigo Pires— vivem em Portugal.

O cofundador da Portugal Fintech, Simão Cruz, é distinguido por estar envolvido no desenvolvimento de “uma organização sem fins lucrativos que tem como objetivo criar as melhores condições para o desenvolvimento das fintech em Portugal”. Aos 24 anos, o português entra para a lista na categoria “finance”, pelo trabalho na associação que liga diferentes players – startups, corporates e banca com o objetivo de acelerar a digitalização da indústria. No início deste ano, a entidade inaugurou a Fintech House, um edifício de cinco andares no centro de Lisboa e com capacidade para ser teto de 35 startups.

Já os cofundadores da startup AddVolt, Bruno Azevedo e Rodrigo Pires, constam da lista na categoria “Manufactoring and industry” por terem “criado um produto elétrico que pode ligar-se a camiões para recarregar energia durante pausas e desacelerações. “Essa energia é usada para refrigeração ou outras operações nos camiões, carrinhas e outros veículos comerciais”, explica a publicação, reforçando que a empresa tem atividade em Portugal, Espanha e Alemanha.

Entre os nomes portugueses estão ainda o de José Maria Macedo, partner fundador da AmaZix Capital, uma empresa de consultoria financeira especializada em digital assets e blockchain, que vive em Londres. Na categoria “Science & Heathcare” constam os nomes de Fábio Rosa, a viver na Suécia, e cofundador de duas startups a trabalhar na área da imunoterapia oncológica — a Asgard Therapeutics e a Blood Reprogramming Technologies; e os de Joana Paiva e Luís Valente, a viver no Reino Unido e cofundadores da iLoF, uma startup que usa inteligência artificial para construir uma biblioteca de biomarcadores de doenças com base na cloud, e inicialmente focada na doença de Alzheimer. Os dados que armazenam deverão reduzir os custos e o tempo de desenvolvimento de medicamentos: a startup já levantou mais de 2,4 milhões de dólares.

Já na categoria de “Sports & Games” encontramos a segunda portuguesa: Catarina Macedo estudou na Universidade do Minho e é program manager da Xbox. Segundo explica a Forbes, a portuguesa — que vive em Washington — “contribui com features sociais em produtos como o Game Bar ou a app da Xbox para PC”. Catarina Macedo também lidera a iniciativa interna de programação e diversidade “Women in Gaming”.

“Num tempo de incerteza global, é difícil ver além da desgraça e da tristeza. Por sorte, o nosso 50.º ranking anual Under 30 da Europa oferece uma muito necessária dose de otimismo”, explica a publicação. Na lista, a revista destaca “jovens líderes visionários que reinventam descaradamente os negócios e a sociedade”.

A lista deste ano é resultado de milhares de recomendações internacionais e de meses de investigação, que termina com “o selo de aprovação do nosso painel de juízes”, explica a Forbes. O resultado é uma lista de 300 jovens com 30 anos ou menos, distinguidos em 10 indústrias e oriundos de 32 países europeus. A lista completa pode ser consultada aqui.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Há 8 portugueses na Forbes 30 under 30. Só 3 vivem em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião